Topo

O Sétimo Guardião

Aos 39, Paulo Vilhena ficou surpreso com papel de pai de jovem de 18 anos

João Cotta/Globo
Paulo Vilhena vive João Inácio em "O Sétimo Guardião" Imagem: João Cotta/Globo

Marcela Ribeiro

Do UOL, no Rio

21/10/2018 04h00

Prestes a fazer 40 anos, Paulo Vilhena garante que lida bem com a passagem do tempo, mas admite que ficou surpreso quando recebeu o convite para viver João Inácio, pai de Guilherme (Caio Manhente), um jovem de 18 anos, em "O Sétimo Guardião", de Aguinaldo Silva, próxima novela das 21h, que estreia dia 12 de novembro.

"Em novela, é o primeiro pai e logo de um galalau de 18 anos. É engraçado, hoje, depois de 20 anos trabalhando, você se vê num momento de transição mesmo. Quando você tem um personagem que tem uma estrutura familiar, na qual você passa a ser o pai e não mais o filho, você vê que algum tempo passou, mas que também é a lei natural da vida, e é bom", disse ele nos bastidores de gravação da novela nos Estúdios Globo, no Rio.

Apesar de não ter problemas com a passagem do tempo, o ator, que mantém seus hábitos de garotão, como surfar nas praias cariocas e andar de skate, assume que a maturidade lhe surpreende.

"Já me peguei em alguns momentos refletindo sobre o que dizem ser uma crise dos 30, depois a crise dos 40. As minhas crises não foram exatas. Nunca foi do 30, foi aos 33. Acho que para o homem demora um pouco mais para perceber o que está acontecendo [risos]. Percebi isso trocando ideias com as pessoas, com amigos que me relaciono há 20, 25 anos. Você vê tudo acontecendo, as famílias serem criadas", conta.

Para não sofrer muito, Vilhena prefere olhar para trás e agradecer pela sua trajetória. Aos 39 anos, ele tem 20 anos de carreira e estreou em 1998, no seriado "Sandy & Júnior". No currículo, ele já acumula dez novelas, além de séries e filmes.

"O tempo vai passando e acho que isso é meio chocante. Se você olha por esse lado, pode ser que te dê uma desestabilizada. Mas tem um outro lado muito bacana também de pensar que são 20 anos de uma trajetória profissional muito interessante, aprendi e vivenciei muito", analisa.

Viúvo alcoólatra

Em "O Sétimo Guardião", João Inácio é um viúvo, que trabalha na prefeitura e acoberta as falcatruas do prefeito Eurico (Dan Stulbach). Ele tem no bordel um local de lazer, onde acaba exagerando na bebida.

"É um tema de saúde pública, que impacta uma grande parte da sociedade que, de alguma maneira, se relaciona com a bebida alcoólica. Quero estudar para em nenhum momento cair em uma caricatura, e sim fazer um cara que sofre com aquilo. Por muitas vezes, pode parecer que está se divertindo, mas ali existe uma grande doença e um buraco pessoal, existencial muito grande."

No bordel, João Inácio costuma dançar tango com Stefânia, uma prostituta gaga vivida por Carol Duarte. Apesar de não estar confirmado, Vilhena acredita que no desenrolar da trama, os dois podem ter um envolvimento amoroso.

"É um caminho a acreditar, é um ambiente quase que os personagens se transportam para outra realidade, fogem um pouco desse dia a dia, dessa rotina de uma cidade pequena. Ali é um espaço para acontecer alguns bons causos e talvez um grande amor."

João sofrerá bastante com a ex-sogra Mirtes (Elizabeth Savalla), uma beata da cidade, que tenta colocar o neto contra o pai.