Topo

Televisão

Em comercial, SBT resgata slogan da ditadura: "Brasil: ame-o ou deixe-o"

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

06/11/2018 16h58

O SBT começou a exibir nesta terça-feira (6) uma série de peças publicitárias exaltando o Brasil. Nos anúncios, a emissora mostra as cores da bandeira nacional e pontos turísticos do país, mas o que mais chama a atenção nas propagandas, veiculadas nos intervalos comerciais, são as frases.

Em uma das campanhas, um locutor diz: "Brasil: ame-o ou deixe-o", ao som do Hino Nacional. Esta frase foi um dos slogans da ditadura militar (1964-1985) e atacava quem se opunha ao regime. Procurado pelo UOL, o SBT confirma a autoria das peças publicitárias, "mas não vai se pronunciar por questões estratégicas".

Após a repercussão negativa, o SBT decidiu tirar do ar o anúncio com o slogan da ditadura militar, informou o blogueiro Mauricio Stycer, do UOL.

"Brasil: ame-o ou deixe-o" surgiu durante o governo de Emílio Garrastazu Médici (1969-1974), onde houve maior repressão a opositores da ditadura militar. Segundo relatório final da CNV (Comissão Nacional da Verdade), entregue em dezembro de 2014, 98 pessoas foram assassinadas por motivação política no período.

Até a tarde desta terça, foram exibidas outras cinco propagandas com teor nacionalista: "Eu te amo, meu Brasil", com a música homônima composta pela dupla Dom & Ravel e sucesso durante a ditadura na voz do grupo Os Incríveis; "Brasil de encantos mil", ao som de "Cisne Branco", hino da Marinha; "Pra frente Brasil", com a marchinha composta por Miguel Gustavo e que se tornou tema da seleção brasileira na Copa do Mundo de 1970; "Brasil, pátria amada", com o Hino da Independência; e "Brasil, terra adorada", ao som do Hino à Bandeira.

Repercussão

As campanhas ufanistas coincidem com a chegada de Jair Bolsonaro ao Planalto. Apoiador da ditadura militar (considerada por ele um "regime") e da tortura, o capitão reformado do Exército foi eleito presidente da República no dia 28 de outubro, ao derrotar nas urnas Fernando Haddad (PT).

Os comerciais repercutiram entre telespectadores e políticos nas redes sociais. Manuela D'Ávila (PCdoB), candidata a vice-presidente na chapa de Haddad, criticou os anúncios do SBT e sugeriu que a emissora "enaltece a ditadura".

"'Eu te amo, meu Brasil, eu te amo, meu coração é' e 'Brasil: ame-o ou deixe-o' são propagandas da ditadura militar. Nós amamos o Brasil. O de todas as cores, credos e opiniões políticas. Enaltecer a ditadura não é amar ao Brasil, mas repugnar a democracia e as conquistas da Constituição de 88. 'Brasil, ame-o ou deixe-o' não é sobre amor e patriotismo. É sobre a violência do exílio e do desterro. Tirem o cavalinho da chuva: vamos ficar, lutar e defender a democracia. Por amor ao Brasil", escreveu Manuela no Twitter.

Jandira Feghali, deputada federal pelo PCdoB, repudiou a propaganda e disse que empresas de comunicação tornam-se "lambedoras de botas" para conseguir dinheiro do governo.

"'Ame-o ou deixe-o' é a coisa mais triste que uma concessão pública pode se prestar em pleno 2018. Resgatar uma expressão da Ditadura em que a frase, tida como nacionalista, na verdade era para sufocar o contraditório e movimentos sociais. A disputa pela verba publicitária não pode fazer com que empresas de Comunicação se tornem 'lambedoras de botas' bizarras", opinou.

Guilherme Boulos, candidato do PSOL à Presidência, também criticou a campanha: "O SBT está usando o lema da ditadura militar: 'Brasil, ame-o ou deixe-o'. A mesma imprensa que foi censurada na ditadura revela um saudosismo masoquista na tentativa de agradar Bolsonaro. O medo de perder verba publicitária é maior que a dignidade".

O PSOL chamou os anúncios de "vergonha" e citou um dos programas mais famosos de Silvio: "SBT e Silvio Santos escolhem as verbas publicitárias ao invés da dignidade democrática. Uma vergonha a utilização do slogan 'Brasil, ame-o ou deixe-o', símbolo da ditadura militar. Topa tudo por dinheiro?".

"Semana do Presidente"

De acordo com o colunista Flávio Ricco, do UOL, Silvio Santos planeja se aproximar ainda mais de Bolsonaro. O dono do SBT estaria disposto a retomar o programa "Semana do Presidente", boletim custeado pelo governo exibido durante mais de 20 anos. O apresentador nunca escondeu seu apreço ao general João Figueiredo, que entregou-lhe a concessão do canal lançado em 19 de agosto de 1981.

No livro "Topa Tudo Por Dinheiro: As muitas faces do empresário Silvio Santos", Mauricio Stycer conta que o apresentador e seus colegas de confiança bateram ponto em Brasília para bajular militares e conseguir a concessão de um canal. O apresentador tentou comprar a Excelsior, mas só ouviu um elogio do presidente Médici. Com Ernesto Geisel, obteve o canal 11 do Rio. E, com a ajuda da mulher de João Figueiredo e do primo dela, Silvio conseguiu formar o SBT em 1981.

Silvio Santos guarda ligações com o meio militar. Ele mantém intacta a farda usada quando se alistou ao Exército, em 1948, e se formou na Escola de Paraquedistas, no bairro Deodoro, zona oeste do Rio de Janeiro, quando ainda era chamado pelo nome de batismo, Senor Abravanel.

Curiosamente, o SBT foi a primeira emissora a produzir uma novela ambientada na ditadura militar, incluindo cenas de tortura e repressão a opositores: "Amor e Revolução" (2011).