Topo

Famosos


Amiga de Donata, Preta Gil fala de festa polêmica: "Não sou militante"

Reprodução/Instagram
Donata Meirelles posa com modelos vestidas de mucamas em sua festa de aniversário nesta sexta-feira (8) Imagem: Reprodução/Instagram

Thaís Sant'Anna

Colaboração para o UOL

2019-02-12T11:52:52

12/02/2019 11h52

Preta Gil foi mais uma famosa que resolveu se pronunciar sobre a polêmica festa de aniversário de Donata Meirelles, diretora da revista "Vogue Brasil", acusada de racismo.

A cantora, muito amiga de Donata, estava sendo criticada pelo público após comentar -- e apagar depois -- "te amo" no post no Instagram em que a diretora se defende e pede desculpas pelo evento.

"A festa dos 50 anos de Donata, amiga que amo, tomou conta das redes, não só pela grandiosidade do evento, mas pela escolha do receptivo vestido com roupas de baianas. Não estava na festa, mas ao tomar conhecimento das imagens, sabia que seria polêmico. Sou Preta, no nome e na pele. E cada vez mais busco me informar e saber como posso adotar uma postura antirracista e entender novos códigos que são latentes no mundo hoje", declarou.

Preta disse que se sentiu na obrigação de alertar e debater com Donata sobre o motivo que a festa estava sendo acusada de racismo. "Como amiga, me sinto na obrigação de fazer o alerta, mas não abandonar. Fui cantar na segunda festa de Donata com amor e afeto. Eu creio que qualquer um, ao reconhecer um erro, mesmo sem intenção, dá um grande passo para a construção de um novo olhar e compreensão sobre algo que já deveria ter sido compreendido por todos, mas que ainda hoje infelizmente não é entendido. Não é mimimi, é real, incomoda, mata e machuca. E precisamos cada vez mais de aliados para dirimir os danos causados pelo racismo", disse.

Por fim, a cantora garantiu que não se manifestou antes porque estava "escutando a todos e, a partir disso, formando minha opinião". "Não estou fazendo militância seletiva porque não sou militante, mas, nesse caso, acho que se encaixa mais em militância afetiva", completou.

O racismo é uma doença perversa que atinge a sociedade. E posturas, consideradas racistas e excludentes, foram naturalizadas ao longo dos séculos. Cada vez mais podemos falar sobre isso e desmitificar o preconceito que faz parte do cotidiano. A festa dos 50 anos de Donata, amiga que amo tomou conta das redes, não só pela grandiosidade do evento, mas pela escolha do receptivo vestido com roupas de baianas. Não estava na festa, mas ao tomar conhecimento das imagens, sabia que seria polêmico. Sou Preta, no nome e na pele. E cada vez mais busco me informar e saber como posso adotar uma postura antirracista e entender novos códigos que são latentes no mundo hoje. Em momentos assim, me sinto na obrigação de chamar meu amigo ou amiga e apontar o que considero errado e convidar para a construção de um novo debate sobre o tema. Como amiga, me sinto na obrigação de fazer o alerta, mas não abandonar. Fui cantar na segunda festa de Donata com amor e afeto. Eu creio que qualquer um, ao reconhecer um erro, mesmo sem intenção, dá um grande passo para a construção de um novo olhar e compreensão sobre algo que já deveria ter sido compreendido por todos, mas que ainda hoje infelizmente não é entendido. Não é mimimi, é real, incomoda, mata e machuca. E precisamos cada vez mais de aliados para dirimir os danos causados pelo racismo. Tudo isso serve de aprendizado para todos! Não estava em silêncio, estava conversando, fazendo o que faço sempre, escutando a todos e a partir disso formando minha opinião. No meio disso, li inverdades e críticas vindas de todos os lados, enquanto nos atacarmos sem diálogo não há evolução. PS 1: não estou fazendo militância seletiva porque não sou militante, mas nesse caso acho que se encaixa mais em Militância AFETIVA

Uma publicação compartilhada por Preta Gil 🎤 (@pretagil) em