Topo

Televisão


Maju dividirá primeira bancada do "Jornal Nacional" com Rodrigo Bocardi

Reprodução/TV Globo
Rodrigo Bocardi e Maju Coutinho no "Jornal Nacional" Imagem: Reprodução/TV Globo

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

2019-02-13T18:34:53

13/02/2019 18h34

A Globo definiu quem apresentará "Jornal Nacional" com a estreante Maria Júlia Coutinho, primeira jornalista negra a comandar o telejornal mais assistido do Brasil. Maju dividirá a bancada no próximo sábado (16) com Rodrigo Bocardi, atual primeiro substituto de William Bonner.

Maju começou na TV Globo em 2007 como repórter e, em 2013, assumiu a previsão do tempo dos telejornais da emissora, inclusive a do "Jornal Nacional", e chamou atenção pela espontaneidade e a linguagem informal. A primeira oportunidade como âncora foi em junho de 2017, no "Jornal Hoje", integrando o time de "folguistas", que apresentam a atração aos sábados.

Ela iniciou sua trajetória na televisão no "Jornal da Cultura", há 14 anos. Na mesma emissora, ela comandou o "Cultura Meio-Dia". Em 2015, ela foi vítima de racismo nas redes sociais e causou indignação entre famosos e anônimos, que fizeram a campanha Somos Todos Maju Coutinho.

O primeiro jornalista negro a apresentar o "Jornal Nacional" foi Heraldo Pereira. Zileide Silva apresenta esporadicamente o "Jornal Hoje", aos sábados. Gloria Maria também se consagrou à frente de atrações como "Fantástico" e "Globo Repórter", além de ter atuado como repórter.

No ano passado, pela primeira vez na televisão brasileira, um telejornal foi comandado por dois jornalistas negros. A RedeTV! escalou Luciana Camargo e Rodrigo Cabral para dividirem a apresentação do "RedeTV News".

Joyce Ribeiro, que ficou conhecida à frente do "Jornal do SBT - Manhã" e "Fala Brasil", passou a apresentar o "Jornal da Cultura" no ano passado.

William Bonner não foi o primeiro a chamá-la pelo apelido no ar. "Chico Pinheiro foi o primeiro a me chamar de Maju e foi repreendido, levou uma bronca. Ele disse: 'Mas se ela é Maria Julia, então eu tenho que ser Francisco. Eu não sou Chico Pinheiro'. Depois veio o Bonner e rebatizou. Então Maju tem de ser Maju", brincou ela no "Programa do Jô", em 2015. 

Popular nas redes sociais, ela é seguida por mais de 533 mil fãs no Instagram e por outros 450 mil no Twitter.

Em 2016, ela lançou o livro "Entrando no Clima: Chuva, Chuviscada, Chuvarada e Outras Meteorologices".