PUBLICIDADE
Topo

Televisão

Nicole Bahls diz que rejeita sexo "hétero e gay" na TV e discute com LGBTs

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

15/03/2019 14h29

Nicole Bahls discutiu com ativistas da causa LGBTQ+ por causa de uma declaração ao programa "Sensacional", da RedeTV!, exibido na noite de ontem. Na atração, que debatia homofobia e transfobia, a ex-panicat disse que não acha legal cenas de beijo e sexo entre heterossexuais ou gays porque "tem crianças assistindo".

"Não é uma coisa que tem que ser educada na TV", falou Nicole. No estúdio, o jornalista Fernando Oliveira, da TV Gazeta e da rádio Jovem Pan, discordou da opinião de Bahls, que para ele foi preconceituosa.

"A gente tem que estar discutindo tudo em novelas, em programas de TV como aqui, e também em documentário. Eu não voltar para o armário de jeito nenhum, vou continuar andando de mão dada na rua", rebateu Fefito.

"Opiniões como a Nicole não contribuem com a discussão. Ela esconde a gente quando diz 'é algo que ofende a família', 'põe na novela só ali no cantinho'. Passamos décadas no 'cantinho'. Agora que podemos trabalhar, andar de mão dada na rua, beijar na boca, vem alguém com a exposição que ela tem e que ganha muito dinheiro com o público LGBT para dizer que não podemos aparecer em novela?", prosseguiu o jornalista.

"A apresentadora Daniela Albuquerque o interrompeu: "Mas é uma opinião dela, Fefito, tem que respeitar". O jornalista explicou: "Opinião é diferente de preconceito. Opinião é não gostar de verde ou azul. Preconceito é dizer que determinados assuntos não podem ser discutidos porque vão ofender a determinadas pessoas quando são só a vida dessas pessoas", concluiu ele.

Nicole Bahls rebate acusações de homofobia - Reprodução/Instagram - Reprodução/Instagram
Nicole Bahls rebate acusações de homofobia
Imagem: Reprodução/Instagram
Nesta manhã, no Instagram, Nicole Bahls esclareceu sua fala no programa da RedeTV! após receber centenas de críticas de seguidores e ativistas da causa LGBTQ+. A ex-panicat voltou a defender a família, disse ter "nascido" travesti, e também falou que "não vive" sem os gays e que os ama pois convive com vários deles em sua casa.

"Não quero que o meu filho com três, quatro anos de idade, fique vendo cenas de sexo. Não acho legal nem com héteros, gays, lésbicas. Não acho legal cenas de sexo. Há lugares para fazer, não precisa ensinar na TV. Se você quer ensinar seus filhos de três anos a transar, chupar, fazer o babado todo, a 'suruba de Noronha', é um direito seu, ensine em casa, não na TV", criticou.

Televisão