Topo

Novela

A Dona do Pedaço


Quem são os "donos do pedaço" que fisgaram as mulheres maduras da novela

Betto Marque, Rafael Queiroz e Bruno Bevan se destacam em A Dona do Pedaço - Colagem/UOL
Betto Marque, Rafael Queiroz e Bruno Bevan se destacam em A Dona do Pedaço Imagem: Colagem/UOL

Carolina Farias

Do UOL, no Rio

10/07/2019 04h00

Eles estão pela primeira vez em um trabalho de destaque na TV e logo em uma uma novela das 21h. Em comum, três atores de A Dona do Pedaço têm personagens que se relacionam com mulheres mais velhas da trama e arrancam suspiros e elogios do público.

Ao UOL, Betto Marque, que interpreta Tonho, Bruno Bevan, o Zé Hélio e Rafael Queiroz, o pistoleiro Rael, falaram sobre a boa recepção do público aos seus papéis e contaram os tipos de comentários que recebem os telespectadores.

Reprodução/Globo
Imagem: Reprodução/Globo
Um entregador desses, bicho...

O intérprete de Tonho também foi um dos garimpeiros da última novela de Walcyr Carrasco, O Outro Lado do Paraíso, mas foi na pele do motoboy que entrega bolos da fábrica de Maria da Paz (Juliana Paes) que o carioca de 38 anos aguçou a imaginação dos telespectadores. Ele protagonizou cenas quentes com Lyris (Deborah Evelyn) após entregar um bolo em sua casa.

"Todas querem ser a Lyris. O Tonho virou um fetiche. Isso é bom demais. Tenho adorado os comentários porque eles representam o carinho do público com o personagem", conta.

Ouço comentários como: 'Vem entregar bolo aqui', 'Por isso a Maria da Paz está rica, porque com um entregador desses todo mundo quer bolo', 'Com um entregador desses até saio da dieta'".

A personagem de Deborah é uma mulher de mais de 50 anos que está infeliz com a falta de apetite sexual do marido Agno (Malvino Salvador) e vai buscar em outros homens o prazer que não encontra mais no casamento. Para Betto, a atração por mulheres mais maduras é coisa de ficção.

"Amor e o companheirismo são os pilares das relações verdadeiras e elas independem da idade. Acho muito normal um homem se interessar por mulheres mais velhas. E vou revelar um segredo: na hora H, elas são muito mais criativas! Têm mais experiência, bagagem", diz, rindo.

O destaque e a repercussão na trama deixam Betto feliz e orgulhoso. "Trabalho meus personagens sempre com muita entrega e carinho. O Tonho representa essa galera jovem, pró-ativa que está sempre pronta a vencer na vida. Os motoboys fazem São Paulo funcionar. Me sinto honrado em poder dar vida a ele."

Zé Hélio (Bruno Bevan) flerta com Beatriz (Natália do Vale) em academia - Reprodução/Globo
Zé Hélio (Bruno Bevan) flerta com Beatriz (Natália do Vale) em academia
Imagem: Reprodução/Globo
Bate um bolão

O perfil de filho bonzinho e funcionário exemplar da fábrica de Maria da Paz não impede Zé Hélio de se revelar um homem romântico e até galanteador. Ele já chamou a atenção de Beatriz (Natália do Vale) com seus elogios e pinta de sedutor. E a mãe de Vivi Guedes (Paolla Oliveira) não está fugindo às investidas e um possível romance já é esperado pelo público que torce pela felicidade --e uma certa vingança-- da ricaça que está sendo traída pelo marido.

Com participações em várias novelas e produções na TV, é a primeira vez que o ator de Niterói, de 30 anos, tem um personagem de destaque em novelas.

"Entre tantas mensagens, reflexões e diferentes olhares que a nossa obra está levando para o telespectador, eis que surge mais uma que retrata a realidade de muitos casais da nossa sociedade, com que vão se identificar", disse Bruno, que não vê a diferença de idade dos personagens como impedimento para uma relação.

"Dentro do permitido por lei, o amor é livre, inclusive na idade. Os envolvidos sempre podem aprender um com o outro e evoluírem juntos, independente da idade. [A trama] é um mix de experiência e maturidade com o frescor da juventude que pode dar muito certo."

O fato de contracenar com Natália, de 66 anos, segundo Bruno, acrescentou ao personagem, que também recebe elogios do público.

"Só recebo comentários positivos. Primeiramente por se tratar de uma das atrizes mais belas e talentosas da sua geração e também pelo fato de tanto o Zé Hélio quanto a Beatriz se merecerem. São personagens que não tramaram nada contra ninguém e possuem uma essência amorosa."

O pistoleiro Rael (Rafael Queiroz) em A Dona do Pedaço - Rael (Rafael Queiroz) em A Dona do Pedaço (Divulgação/ TV Globo)
O pistoleiro Rael (Rafael Queiroz) em A Dona do Pedaço
Imagem: Rael (Rafael Queiroz) em A Dona do Pedaço (Divulgação/ TV Globo)
Assim você me mata

A Dona do Pedaço é a primeira novela das 21h de Rafael Queiroz, o pistoleiro Rael, na Globo. Mas muita gente pode ter reconhecido o rosto do paulista de Campinas (SP), de 36 anos, da Record. Com dez anos de carreira, ele esteve no elenco de Máscaras, de 2012, Os Dez Mandamentos, exibida em 2015, e Terra Prometida, de 2016.

Das tramas bíblicas para o pistoleiro com ar misterioso que entrou na história para matar Maria da Paz, mas até agora não conseguiu acertar nenhum tiro na boleira.

Em compensação, Rael também entrou no alvo de Lyris, que continua insatisfeita com a falta de sexo com o marido. Rafael comemora a oportunidade na novela.

"O Rael é especial pela sua complexidade, me dá a possibilidade de me desafiar como ator, principalmente por ser um personagem tão distante de mim", elogia o ator, que vem observando a transformação do matador em um amante cada vez mais cobiçado.

"Sinto que no desenrolar da trama a vontade de se relacionar com alguém fica evidente. Ele é humano", diz ele, que conta estar se divertindo com o reconhecimento dos fãs nas redes sociais.

"É bacana, o feedback é imediato. Recebi comentários como: 'Não mata a Maria da Paz, ela não merece!'. Uma mistura entre ficção e realidade."

Sobre elogios de telespectadores mais afoitos, Rafael é discreto: "Agradeço pelo carinho que venho recebendo do público."

Se Rael se envolver com Lyris, será mais um "novinho" que a ricaça se relacionará na trama e o ator está preparado para as possíveis reações do público à diferença de idade entre ambos.

"Infelizmente o preconceito está enraizado na nossa sociedade. Diferenças são pouco aceitas. Mas acredito que o amor não tem barreiras."