Topo

Televisão


Ana Maria relembra ida para Globo: "Incomodei tanto que foram me buscar"

Ana Maria Braga participa do Lady Night - Juliana Coutinho/Multishow
Ana Maria Braga participa do Lady Night Imagem: Juliana Coutinho/Multishow

Jonathan Pereira

Colaboração para o UOL

18/07/2019 23h43

Ana Maria Braga falou sobre a carreira, a ida para Globo e a mudança de seu público ao longo das décadas a Tatá Werneck no Lady Night de hoje. A apresentadora, que deixou a Record em 1999 após fazer sucesso no extinto "Note e Anote", não esconde a satisfação de ter sido contratada.

"Em 1992 eu olhava a construção da sede da Globo no Morumbi e pensava: 'Vou trabalhar aí'. Um dia incomodei tanto, minha audiência era tão boa lá do outro lado que foram lá me buscar", comemora, revelando a falta de estrutura que enfrentava até então no "Note & Anote", na antiga emissora.

"Na outra emissora a minha cozinha não existia. Era uma tábua, a geladeira era pintada na parede, os vasinhos pintados... Não tinha móvel, não tinha pia, eu precisava botar embaixo da tábua um balde com água para de vez em quando lavar a mão. Eu falava 'chama os cachorros' para poder lavar a mão. Tinha que dar um jeito, como eu ia explicar que eu sumia?".

A apresentadora disse se orgulhar ainda das gerações de mulheres que acompanharam seus programas.

"As mulheres do Brasil mudaram, o Brasil mudou e as mulheres graças a Deus acordaram para um monte de coisa. Antigamente era brega cozinhar, falar em trabalhar fora de casa era exceção, falar em defesa e direitos da mulher era meio velado, as pessoas tinham vergonha de sair em defesa de grupos de minoria, gay, nem pensar!".

Ela contou que soube se adaptar a esse cenário. "O mundo está em uma transformação fantástica e as pessoas que veem televisão também mudaram. O Louro [José] me ajuda muito nisso, é meu alter ego. O que eu não puder falar, ele fala".

A apresentadora contou também como é sua geladeira."Quem já passou fome na vida, e eu já passei, se não tiver a geladeira abastecida, tem medo de alguma coisa acontecer e ficar sem comida".

Sem cerimônia, Ana Maria enumera os perrengues que passou ao vivo. "Já caí da cadeira, botei fogo na cozinha, liquidificador já explodiu para cima, cachorro fez xixi em mim, carro me atropelou..." E não mede as palavras se não gosta dos pratos feitos no "Mais Você". "Quando está ruim, eu falo mesmo", avisa.