Topo

Televisão


Antônia Morais diz que sofreu de depressão ao tomar remédios para emagrecer

Antônia Morais participa do Conversa com Bial - Reprodução/TV Globo
Antônia Morais participa do Conversa com Bial Imagem: Reprodução/TV Globo

Jonathan Pereira

Colaboração para o UOL, em São Paulo

28/08/2019 07h53

Antônia Morais falou sobre como é ser filha de Glória Pires no "Conversa com Bial" de ontem. A atriz contou como lidou com a pressão de seguir a mesma carreira de um dos ícones da TV e da irmã, Cleo.

"Teve uma fase em que isso mexia comigo emocionalmente, achava que minha existência estava sendo anulada. Hoje em dia penso nisso de forma mais estratégica, preciso do meu nome forte. Obviamente minha irmã e minha mãe, por terem feito uma carreira na TV, têm uma carreira mais reconhecida que eu que fui por um caminho alternativo. É importante para mim deixar meu nome sólido, embora tenha muito orgulho de ambas", declarou.

Ela brincou sobre o período em que sua mãe se desdobrava na TV, na novela "Mulheres de Areia" (1993). "Fui amamentada por Ruth e Raquel, por isso eu sou bipolar", disse, sobre o período em que a mãe interpretava as gêmeas.

Antonia falou como lidava com o corpo. "Tomei muito remédio para emagrecer uma época, os remédios mexiam com minha cabeça, comecei a ter depressão, paranoia, achar que estava sendo perseguida o tempo todo. Era tão confuso para mim. Quando você passa por uma coisa dessa é difícil elaborar com outras pessoas, tem um pouco de vergonha também. É uma mistura de sentimentos que te impedem de pedir ajuda. Acho que cheguei e contei depois que tinha me curado", afirmou.

Cleo concordou. "A gente passou por coisas muito parecidas. É um distúrbio da forma que você se vê, de repente você passa por coisas de um distúrbio emocional que te deixam desequilibrada e você come até o pé da mesa. Qualquer mulher, mesmo as que estão dentro de um padrão que é aceito, passam por esse processo", afirmou.

"É muito séria a coisa da depressão, é uma doença que você não vê, as pessoas tendem a não levar a sério, achar que é preguiça. As pessoas precisam estar atentas às outras, você está com tanta dor que tem medo de as pessoas não entenderem e criticarem. No meu caso, eu tenho apoio, tem as pessoas que acho que são meu fechamento", declarou.