Topo

Novela

A Dona do Pedaço


Palmeira diz o que acha dos "mocinhos": "Carregam peso de ser meio bobos"

Amadeu (Marcos Palmeira) quer voltar para Maria da Paz (Juliana Paes) - João Miguel Júnior/Globo
Amadeu (Marcos Palmeira) quer voltar para Maria da Paz (Juliana Paes) Imagem: João Miguel Júnior/Globo

Carolina Farias

Do UOL, no Rio

07/09/2019 04h00

Ao longo de mais de 40 anos de carreira, Marcos Palmeira, 56, tem no currículo uma galeria de diferentes personagens, boa parte deles como galã ou mocinho. Como esquecer o sofrido João Pedro em Renascer, de 1993, ou o destemido João Coragem do remake de Irmãos Coragem em 1995 e mesmo o pescador Guma, de Porto dos Milagres, novela exibida em 2001 e reprisada atualmente no Canal Viva?

Hoje o ator interpreta Amadeu em A Dona do Pedaço, um mocinho que quer reconquistar Maria da Paz (Juliana Paes) e finalmente viver uma vida a dois com a protagonista, algo que está difícil de ocorrer na trama.

"Quando parecia que ia deslanchar ele toma um tiro [no começo da novela], em São Paulo eles se reencontram, mas sua mulher fica doente. Agora a mulher morreu, tem tudo para deslanchar, mas o filho dele começa a criar problema. São muitos percalços, mas espero que fiquem juntos", disse o ator em entrevista nos bastidores das gravações da novela nos Estúdios Globo, no Rio.

Palmeira citou os desencontros do casal. No início da trama, quando Amadeu e Maria da Paz iriam se casar após uma trégua entre as famílias rivais, ele é baleado no altar. Uma armação das famílias faz Maria pensar que Amadeu morreu e ele também foi enganado sobre a morte dela.

Quando se reencontram em São Paulo, ele está casado com Gilda (Heloísa Jorge) e chega a pensar em se separar para ficar com a boleira, mas a mulher dele descobre um câncer. Agora, com a morte de Gilda, Amadeu vai enfrentar a resistência do filho Carlito (João Gabriel D'Aleluia) ao se aproximar de Maria.

O ator contou que o público cobra uma postura mais reativa de Amadeu. "As pessoas dizem 'reage', pedem que seja mais participativo. Coisa de novela. Eu tinha uma tia, que já faleceu, que quando eu ia à casa dela ela dizia: 'Meu filho, aquela mulher não é para você'. Era a novela. Faz parte. Os mocinhos carregam esse peso de ter que ser meio bobos, senão [a trama] se resolve logo. Se fossem muito espertos, tudo se resolveria. Mas espero que nos últimos capítulos tenha uma virada."

Marcos Palmeira interpretou Guma em Porto dos Milagres em 2001 - Reprodução/Memória Globo
Marcos Palmeira interpretou Guma em Porto dos Milagres em 2001
Imagem: Reprodução/Memória Globo

Chamado pelo próprio Walcyr Carrasco para a trama, Palmeira diz estar totalmente entregue ao personagem para o rumo que o autor quiser dar.

"Não fico criticando, julgando. Sei que as pessoas sentem falta [de uma atitude] porque ele entrou com uma força, tinha aquela coisa mais rural. Prefiro pensar que estou servindo a uma história e fico feliz de as pessoas desejarem me ver mais, sendo mais ativo. Os mocinhos são personagens mais complicados, mas alguém tem que fazer esse trabalho. Gosto também. Claro que a vilania é sempre mais rica. Aquela coisa do mal que se transforma no bem também é muito legal."

Orgulho em fazer o galã aos 56 anos

Sobre ainda ser galã aos 56 anos, Palmeira diz que só tem a comemorar e disse acreditar que quer continuar nesse time.

"Será que está faltando galã? Acho legal, não tenho o que criticar. Minha mãe fica orgulhosíssima de eu, com 56 anos, ainda fazer o galã. Espero continuar fazendo. Antonio Fagundes, na outra novela, você vê ainda a possibilidade de ele ter um caso com a Grazi Massafera. Tony Ramos também, em outro estilo. Será que vou estar nesse roll?"