Topo

Novela

Éramos Seis


Éramos Seis: Gloria Pires homenageia Calloni após morte de personagem

Lola (Gloria Pires) e Júlio (Antonio Calloni) dançam em Éramos Seis - Reprodução/Instagram
Lola (Gloria Pires) e Júlio (Antonio Calloni) dançam em Éramos Seis Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

02/12/2019 19h52

Gloria Pires usou o Instagram para homenagear Antonio Calloni, que interpreta Júlio na novela Éramos Seis. No capítulo de hoje, o personagem dele morreu após não resistir a mais uma internação. A atriz dá vida a Lola, esposa de Júlio.

"Sou muito grata por poder interpretar Lola nessa linda história e pela honra de ter contracenado com meu querido, Antonio Calloni. Um grande ator e parceiro em cena. Deu vida a um personagem tão complexo de maneira belíssima e emocionante. Obrigada pelo seu talento e pela sua parceria", disse Gloria no final da publicação.

Antes, ela falou sobre os rumos de Lola na novela após a morte do marido. "A morte de Júlio é um dos pontos-chaves da história de Maria José Dupré e também apresenta um retrato da sociedade no início do século passado. Sob o olhar dos tempos de hoje, Júlio é um homem cheio de características que não são mais toleradas. No contexto dos anos 1930, entendemos que ele é apenas alguém que foi criado para ser o que é. Mesmo em todas as suas contradições, Júlio foi um pai zeloso para seus filhos e um marido amoroso para Lola. Ele cumpriu as obrigações que lhe foram impostas, garantindo o sustento e, ao seu modo, o afeto da sua família", escreveu.

"Sua morte abre um abismo sob os pés de Lola, que vai precisar se reinventar para garantir a sobrevivência da sua família numa época em que a mulher não tinha voz e oportunidades. Mais do que nunca, ela contará com a solidariedade, a empatia e o acolhimento de seus filhos e amigos para seguir em frente, contando essa história sobre como a vida pode sempre nos transformar", acrescentou.

#ÉramosSeis é uma história sobre laços familiares, sobre as intempéries que a vida impõe, sem mocinhos ou vilões. As alegrias e tristezas cotidianas guiam as trajetórias dessas vidas. A morte de Júlio é um dos pontos-chaves da história de Maria José Dupré e também apresenta um retrato da sociedade no início do século passado. Sob o olhar dos tempos de hoje, Júlio é um homem cheio de características que não são mais toleradas. No contexto dos anos 1930, entendemos que ele é apenas alguém que foi criado para ser o que é. Mesmo em todas as suas contradições, Júlio foi um pai zeloso para seus filhos e um marido amoroso para Lola. Ele cumpriu as obrigações que lhe foram impostas, garantindo o sustento e, ao seu modo, o afeto da sua família. Sua morte abre um abismo sob os pés de Lola, que vai precisar se reinventar para garantir a sobrevivência da sua família numa época em que a mulher não tinha voz e oportunidades. Mais do que nunca, ela contará com a solidariedade, a empatia e o acolhimento de seus filhos e amigos para seguir em frente, contando essa história sobre como a vida pode sempre nos transformar. Sou muito grata por poder interpretar Lola nessa linda história e pela honra de ter contracenado com meu querido @antonio_calloni. Um grande ator e parceiro em cena. Deu vida a um personagem tão complexo de maneira belíssima e emocionante! Obrigada pelo seu talento e pela sua parceria!

A post shared by Gloria Pires (@gpiresoficial) on

Éramos Seis