PUBLICIDADE
Topo

"Bira deixou uma história escrita", diz diretor do programa de Jô Soares

Diretor do extinto "Programa do Jô", Willem van Weerelt chegou ao velório de Bira na noite de hoje - Francisco Cepeda/AgNews
Diretor do extinto "Programa do Jô", Willem van Weerelt chegou ao velório de Bira na noite de hoje Imagem: Francisco Cepeda/AgNews

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

22/12/2019 21h24

"Bira virou a página, mas deixou uma história escrita". Foi assim que Willem Van Weerelt, diretor dos programas de Jô Soares, definiu a morte do ex-baixista do Sexteto, que sofreu uma parada cardíaca decorrente de um AVC isquêmico na manhã de hoje.

"Tivemos uma convivência ótima no programa. Duas coisas dele são marcantes para mim: o bom humor, que é cativante, e a elegância. Prova é que hoje eu o vi deitado ali e o vi vestido com um terno branco, de verão, uma gravata bonita. Está simplesmente perfeito, como estaria no programa. Elogiei-o para a família, os filhos e a mulher", descreve Willem, que compareceu ao velório, ao UOL.

O diretor de Jô ressalta o carisma de Bira nos bastidores do programa: "Quando ele entrava no estúdio, era o mais aplaudido do Sexteto. Era carisma, ou você tem ou não tem. Era adorável". Entretanto, o músico baiano fechava a cara quando sentia frio.

"Nunca o vi de mau humor. Uma coisa que o incomodava: o frio do estúdio. Ele usava camiseta por baixo de camiseta por baixo de camiseta", recorda.

Cerimônia familiar

O corpo de Bira foi velado neste domingo, no Morumbi (zona oeste de São Paulo), sob os olhares tristes de amigos e familiares e sem a presença dos fãs que o conheceram nos programas de Jô Soares.

O velório começou por volta das 17h em uma funerária particular e bem estruturada, com café grátis e lanchonete à disposição. A família de Bira impediu emissoras de TV e fotógrafos dentro do local. Imagens do caixão também estavam proibidas.

Aos poucos, outras pessoas próximas de Bira e sua família chegaram ao velório, entravam na sala e saíam aos prantos após se despedirem do artista. Na primeira hora, pouco mais de 40 amigos e colegas apareceram no local.

A família de Bira decidiu não se pronunciar sobre a morte do músico. Entrevistas dentro da funerária foram proibidas, e David Reis foi escolhido como único porta-voz para falar com a imprensa.

Do Sexteto, grupo que embalou as entrevistas de Jô no SBT e na Globo, o trompetista Chico Oliveira foi o primeiro a comparecer ao velório. Derico, que toca saxofone, está no interior de São Paulo e deverá chegar à noite. Tomati, o guitarrista, mora em Miami (EUA), mas nesta semana voltou ao Brasil por questões de seu visto.