PUBLICIDADE
Topo

Famosos


Gilberto Gil sobre crenças: "Deus é uma invenção do homem"

Gilberto Gil durante participação no  Papo de Segunda, no canal GNT - Reprodução/GNT
Gilberto Gil durante participação no Papo de Segunda, no canal GNT Imagem: Reprodução/GNT

Colaboração para o UOL

18/02/2020 06h41

Gilberto Gil contou detalhes sobre suas crenças durante participação no Papo de Segunda Verão de ontem, no GNT. Ao ser questionado se Deus está satisfeito com tudo o que está acontecendo no Brasil atualmente, Gil respondeu: "Ninguém sabe quais são os desígnios de Deus, porque ele quer que seja assim ou porque ele quer que seja assado. Eu costumo dizer que nós é que criamos isso; Deus é uma invenção do homem. A crença geral é que é o oposto, que o homem é que foi criado por Deus."

O cantor e ex-ministro da Cultura esteve no Forte de Santo Antônio Além do Carmo, local histórico de Salvador e perto de onde morou quando era criança, para participar do programa.

Em conversa com os apresentadores Fábio Porchat, João Vicente, Emicida e Francisco Bosco, Gil, que é adepto de Xangô, do Candomblé, opinou sobre a fé ser fundamental para muita gente: "A religião no modo geral, a crença não só em uma transcendência, de uma possível vida depois desta, mas também à regência feita por essa instância superior, normatizando procedimentos e comportamentos, é uma coisa que as religiões adotam e isso acaba, na maioria dos casos, levando as pessoas a uma adoção de uma maneira de ser relativa àqueles preceitos e mandamentos de Deus."

Ele diz, no entanto, que, quando era criança, Deus se encontrava mais próximo dele: "Na infância, por causa da minha família e da cidade onde eu vivia, a gente rezava e celebrava a festa de Santo Antônio, festa de São Pedro, de Reis, de Nossa Senhora. Eu era muito ligado com aquele modo e compreensão do homem com a vida e com a natureza a partir da religiosidade católica. Depois, no decorrer da vida, fui encontrando outras formas de interpretar a realidade. Fui descobrindo a filosofia, a ciência e outros aspectos de compreensão do que é e do que não é, do que deve e pode ser. A partir dai, a religião foi tendo um papel menor [na minha vida]", completou o ícone da música brasileira.

"Mas, por um respeito cultural, um respeito cívico e resíduo natural, continuo dizendo 'Graças a Deus' e 'Deus lhe proteja' para as pessoas", esclareceu o músico de 77 anos. Um "bondoso radical", segundo se autodenominou no programa, Gil seguiu explicando sua admiração pela fé, independente da religião: "Eu gosto de todos aqueles que têm fé, que acreditam e que estão ligados a religiões que, em sua maioria, têm relações com o bem fazer e o bem querer. Eu gosto da bondade e defendo. Até brigo por ela (risos)".

"Agora, é absolutamente estranho que a pessoa tenha círculos religiosos que hostilizem os outros, e mais do que isso, que querem o extermínio dos outros, o desaparecimento do próximo, negando a função de amor", acrescentou.

Ouça o podcast UOL Vê TV, a mesa redonda do UOL sobre televisão com os colunistas Chico Barney, Flávio Ricco e Mauricio Stycer.

Os podcasts do UOL estão disponíveis no Spotify, Apple Podcasts, Google Podcasts e outras plataformas de áudio.

Famosos