PUBLICIDADE
Topo

Televisão

Equipe da GloboNews fica encurralada durante tiroteio no Rio

Do UOL, em São Paulo

27/08/2020 13h01Atualizada em 27/08/2020 15h34

Uma equipe de jornalismo da GloboNews ficou encurralada durante a transmissão de um tiroteio no Rio de Janeiro. O repórter André Coelho afirmou que a polícia pediu para que eles saíssem do local, mas que não houve chance de atender ao pedido, pelo risco de serem atingidos no confronto.

A capital fluminense enfrenta confrontos tensos entre facções desde ontem. Durante a cobertura, André e o repórter cinematográfico William Corrêa, tiveram de se esconder.

"A gente percebeu uma movimentação estranha dos policiais, e fomos orientados a sair de perto de onde eles estavam, porque havia a possibilidade de bandidos do morro de São Carlos tentarem sair pelo Rio Comprido, onde estamos. E não houve condição nem da gente sair. Procuramos um lugar seguro e, logo que entramos em um prédio, começaram os tiros", relatou ele.

O repórter explicou que estava falando de um lugar escondido, na garagem de um prédio, e usando as pilastras do local para tentar se manter em segurança.

"Nós falamos ao vivo e estamos escondidos em um prédio no bairro do Rio Comprido, onde começou uma nova troca de tiros. Essa região enfrenta um clima de instabilidade muito grande desde ontem", afirmou o repórter.

"Nós estávamos acabando de acompanhar o trabalho da Polícia Civil, quando observamos grande movimentação. Havia suspeita de que bandidos que estão no complexo de São Carlos pudessem sair do morro pela mesma rota que outros fizeram. Agora há pouco, começou uma intensa troca de tiros onde estamos, com a polícia tentando impedir a saída desses criminosos", acrescentou.

André afirmou que o clima era de "muita tensão". "Nesse momento estamos em segurança, mas estamos tentando nos manter longe de qualquer conflito. A situação é bem complicada".

A transmissão flagrou sons de trocas de tiros e supostas bombas e o próprio repórter chamou os comerciais - uma atitude pouco usual.

Mãe morre ao proteger filho

Uma mulher morreu após ser baleada na noite de ontem, no mesmo bairro, do Rio Comprido, zona norte do Rio de Janeiro, e não conseguir ser atendida devido ao tiroteio que ocorria no local desde cedo. Ela tentava proteger o filho com seu corpo.

Ana Cristina da Silva, 25, estava indo trabalhar de carro com o marido e o filho de 3 anos quando os dois ficaram no meio do tiroteio. Ela foi atingida por dois tiros de fuzil, um na cabeça e outro na barriga.

Um homem que fazia uma família refém desde a madrugada, também no Rio Comprido, se entregou e foi preso no início da manhã desta quinta-feira. As vítimas, uma mulher e uma criança, de 5 anos, foram libertadas.

O Catumbi abrange cinco favelas, entre elas a São Carlos, que tem uma das entradas pela rua Azevedo Lima, justamente onde a mulher foi atingida.

Televisão