PUBLICIDADE
Topo

Alice Braga diz que 'Cidade de Deus' foi o 'estalo' para carreira de atriz

Alice Braga no Conversa com Bial - Reprodução/vídeo
Alice Braga no Conversa com Bial Imagem: Reprodução/vídeo

Colaboração para o UOL

07/10/2020 03h37

Mesmo residindo em Los Angeles, EUA, e estrelando dois novos filmes blockbusters norte-americanos, "Os Novos Mutantes" e "Esquadrão Suicida 2", Alice Braga não esquece as raízes tupiniquins e ressaltou a importância de "Cidade de Deus" em sua carreira. Para a brasileira, o longa foi o "estalo" essencial para que se tornasse atriz.

"Na minha vida pessoal, 'Cidade de Deus' tem um lugar muito lindo porque foi, para mim, o encontro, foi onde fez o 'click' [o estalo] de que era realmente isso que eu queria fazer, em ser atriz e de que amo fazer cinema", disse Alice no "Conversa com Bial" desta madrugada de quarta-feira (7).

Sobre a premiada produção de Fernando Meirelles, de 2002, a atriz ressaltou: "Eu tenho uma coisa muito potente com 'Cidade de Deus'. Além de ser um filme que é super importante para a história do cinema nacional, também virou um dos filmes mais elogiados do mundo e da história do cinema. Tenho muito orgulho e honra de fazer parte dele".

Na película, Alice Braga dá graça a Angélica, uma jovem hippie de classe média alta do Rio de Janeiro que se apaixona por Bené (Phellipe Haagensen), melhor amigo do traficante Zé Pequeno (Leandro Firmino) e considerado o cara mais gente boa da comunidade Cidade de Deus.

"Como eu nasci em uma família que faz cinema, para mim, fazer cinema não era uma questão. A questão era se seria na frente ou atrás das câmeras, e através de 'Cidade de Deus' foi a hora em que percebi que o bicho da atuação estava em mim, e que eu queria muito atuar", enfatizou a atriz, sobrinha de Sônia Braga.

Esquadrão Suicida 2

O filme de super-heróis "Esquadrão Suicida 2" estreará somente em agosto de 2021, no entanto, Alice adiantou um pouco como foi interpretar o personagem Sol Soria, uma versão do vilão Juan Soria.

"Meu personagem é parecido com umas coisas que eu já tinha feito, mas foi com um diretor muito leve, o James Gunn, que consegue pegar os quadrinhos e comunica para os fãs na hora em que coloca em live-action, de uma forma muito potente".

"Eu filmei um pouco no ano passado, quando eu estava na Itália, e terminei o trabalho no começo desse ano, em fevereiro, logo antes de começar a pandemia do coronavírus", concluiu Alice.

O "Conversa com o Bial" vai ao ar de segunda à sexta-feira após o Jornal da Globo.