PUBLICIDADE
Topo

Lizzo conta que fazia suas próprias roupas: 'Não tinha para o meu corpo'

Lizzo curte praia com biquíni da marca Vênus Atomika - Reprodução/Instagram
Lizzo curte praia com biquíni da marca Vênus Atomika Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

17/11/2020 17h13

A cantora norte-americana Lizzo afirmou hoje que, por ser gorda, não encontrada roupas que servissem ao seu tipo de corpo. Por isso, ela precisava costurar suas próprias peças.

"Como uma 'big girl', a moda não estava disponível para o meu tipo de corpo, então eu tive que ser criativa. Se não eram feitas sob medida para mim, eu mesma fazia as minhas roupas", disse durante um evento da Vogue americana.

Dona de hits como "Juice" e "Good as Hell", critica a predominância de mulheres brancas apoiando o movimento body positive — que prega a aceitação do próprio corpo.

"É comercial agora. Você olha para a hashtag 'corpo positivo' e vê meninas menores e mais curvilíneas. Muitas garotas brancas. E eu não acho que seja isso, porque inclusão é tema da mensagem que eu passo", explicou a vencedora de dois Grammys.

O que eu não gosto é de como as pessoas para as quais este termo foi criado não estão se beneficiando dele. Meninas com gordura nas costas, meninas com barrigas que pendem, meninas com coxas que não são separadas, que se sobrepõem. Meninas com estrias. Você sabe, garotas que estão no clube das plus size mesmo.

Lizzo reforça que precisa usar da plataforma que possui como cantora para defender aquilo que acredita e, assim, motivar jovens.

"Acho que é importante assumir total responsabilidade pela forma como o mundo me vê, porque é assim que eles vão perceber alguém que se parece comigo no futuro. Talvez, com sorte, isso daria a alguma jovem alguém para admirar e tirar a oportunidade de alguém usar como arma sua singularidade contra ela", declarou.

Ela mesmo demorou a acreditar em si mesma e no seu potencial de transformação, mas agora quer levar essa defesa cada vez mais a frente.

"Eu tive que viajar o mundo e eu tive que conhecer pessoas e ler DMs e olhar em seus olhos e realmente ouvir suas histórias para acreditar que eu estava causando um impacto positivo", concluiu.