PUBLICIDADE
Topo

Televisão

Entrevista antiga de Maluf após proibir cigarro em restaurantes viraliza

Paulo Maluf em entrevista ao Roda Viva em outubro de 1995 - Reprodução
Paulo Maluf em entrevista ao Roda Viva em outubro de 1995 Imagem: Reprodução

Do UOL, em São Paulo

02/12/2020 17h31

Circula nas redes sociais hoje um trecho de uma edição antiga do programa Roda Viva, da TV Cultura. É uma entrevista de 1995, do então prefeito de São Paulo, Paulo Maluf, falando sobre o decreto que proibiu o uso de cigarro dentro de restaurantes.

25 anos mais tarde, o que chama a atenção é o posicionamento dos entrevistadores, críticos à medida. O usuário do Twitter que postou o vídeo escreveu: "E o Maluf que proibiu fumar em restaurante e transformou o Roda Viva num grande episódio do Choque de Cultura?"

Ele se refere ao programa de humor da TV Quase, que conquistou a internet brasileira com personagens defendendo absurdos ("Quando você chega com um pedaço de pau numa briga, a outra pessoa quer logo conversar. É a arma do diálogo!").

No Roda Viva com Maluf, os entrevistadores são Marcelo Beraba (então secretário de redação da Folha de S. Paulo), Pedro Cafardo (na época editor-chefe d'O Estado de São Paulo), Luciano Suassuna (então chefe de redação da revista Istoé em Brasília), Josemar Gimenez (na época diretor de redação d'O Diário Popular), Nirlando Beirão (então editor-sênior da Revista Playboy) e Marcelo Parada (na época diretor de jornalismo da rádio Eldorado AM). O mediador do programa era Matinas Suzuki Jr.

O trecho que viralizou, assim como o programa, começa com uma questão do mediador: "Prefeito, o senhor não acha que exagerou um pouco na dose, que essa proibição é radical demais?" Maluf é direto na resposta: "Não".

A pergunta de Nirlando Beirão é mais uma crítica: "Às vezes eu sinto que o senhor tem prazer em proibir as coisas, sabia? Ditar normas de comportamento social. Deixa a pessoa fumar!"

O então prefeito pede exemplos de outras coisas que teria proibido, e o jornalista fala uma frase que tocou os fãs do Choque de Cultura: "O negócio do cinto de segurança! Eu não posso... Eu tenho que andar com aquilo me amarrando?"

Maluf responde que o cinto de segurança salva vidas, e Beirão responde: "Eu posso decidir sobre isso, não posso, prefeito?"

O prefeito cita que garçons não fumantes faziam reclamações trabalhistas após terem câncer no pulmão. Matinas Suzuki Jr., então, sugere uma solução: "Isso poderia ser resolvido com garçons tabagistas servindo consumidores tabagistas". E acrescenta:

Por exemplo, num voo, prefiro sentar do lado de um fumante, que eu acho que são pessoas mais agradáveis, menos tensas, do que de um não fumante. Isso é um direito meu!"

Pedro Cafardo também propõe uma alternativa à proibição: "E por que eu não posso ter um restaurante exclusivo para fumantes? Por quê?"

Os usuários do Twitter identificaram nesse discurso argumentos muito parecidos com os que são utilizados hoje por quem se recusa a usar máscaras ou tomar uma eventual vacina para evitar a propagação do coronavírus:

Até compararam o discurso a outro que viralizou nesta semana:

O programa completo está disponível no YouTube do Roda Viva:

Televisão