PUBLICIDADE
Topo

Morre benemérito da Portela Maurício Mattos em decorrência da covid-19

Morre benemérito da Portela Maurício Mattos em decorrência da covid-19 - Reprodução/Redes Sociais
Morre benemérito da Portela Maurício Mattos em decorrência da covid-19 Imagem: Reprodução/Redes Sociais

Marcela Lemos

Colaboração para o UOL, no Rio de Janeiro

24/12/2020 08h16

O empresário e sócio benemérito da Portela, Maurício Mattos, 77, morreu ontem após ficar duas semanas internado no hospital Copa Star, em Copacabana, na zona sul do Rio. Parentes de Maurício confirmaram à escola de samba que o empresário testou positivo para covid-19.

Além de sócio benemérito, Maurício foi o fundador da revista e do camarote Rio Samba e Carnaval.

Ele estava internado em estado grave. Nos últimos dias, a família chegou a pedir doações de sangue nas redes sociais. A saúde do empresário, no entanto, já estava debilitada. Em junho, Maurício precisou passar por uma cirurgia para desobstruir a carótida esquerda. Após a intervenção, o empresário passou por outras internações nos meses seguintes.

"Frequentador da Portela desde 1966, Maurício deixa um legado gigantesco para sua escola do coração. Orgulhava-se, por exemplo, de ter sido um dos fundadores da tradicional Ala dos Estudantes, na década de 1970. No mesmo período, fez história ao levar a Portela para ensaiar no Mourisco, na Praia de Botafogo [espaço na zona sul do Rio]. Além de convencer o patrono Natal da Portela que de os eventos na zona sul seriam importantes para a escola, o empresário também foi fundamental para torná-los sucesso de público", destacou a agremiação em nota de pesar.


A escola de samba disse ainda que o empresário era um grande colaborador de diversas diretorias da Portela.

"Gostava de frequentar todos os eventos da Azul e Branco, em especial a Feijoada da Família Portelense. Fazia questão, ainda, de saber do andamento do barracão, dos projetos sociais e das ações culturais", contou a Portela nas redes sociais.

A escola de samba lembrou ainda que no último desfile, no ano passado, Maurício viveu uma das maiores emoções da sua vida: ele desfilou ao lado de integrantes da Velha Guarda Show da escola, a convite do mestre Monarco.

Entre 2003 e 2010, Maurício Mattos foi também presidente da Acadêmicos da Rocinha, levando a agremiação ao título do Grupo de Acesso e, no depois, ao Grupo Especial.
Maurício deixa a mulher, a produtora cultural Lene De Victor, dois filhos e quatro netos.

O presidente Luis Carlos Magalhães, o vice Fábio Pavão e toda a diretoria da Portela lamentam profundamente a perda da figura portelense e se solidarizam com os familiares e amigos.

"Ele foi um gigante do carnaval, todos sabemos. Pioneiro das alas de estudantes, abrindo espaço para outros tipos de componentes, outras paixões; pioneiro na atração de ainda outros públicos em seus camarotes históricos. Foi incomparável em seu amor pela Portela. Em seu último carnaval Maurício viveu duas alegrias que lhe faltavam. Ser convidado por Monarco e desfilar no carro da legendária Velha Guarda, uma paixão dentro de outra. Ali realizava seu sonho máximo com os baluartes da escola. Ali deixando sua última imagem para a história de todos os carnavais... para sempre", lamentou Luís Carlos Magalhães.

O sepultamento de Mauricio Mattos ocorreu ontem no Memorial do Carmo, no Caju, na zona norte do Rio, com uma cerimônia restrita.