PUBLICIDADE
Topo

Carol Narizinho fala do uso de anabolizantes: 'Carrego até hoje os danos'

Carol Narizinho foi a quinta eliminada de "A Fazenda 2020" - Reprodução/RecordTV
Carol Narizinho foi a quinta eliminada de "A Fazenda 2020" Imagem: Reprodução/RecordTV

Colaboração para o UOL, em São Paulo

20/01/2021 08h21

Quinta eliminada da última edição de A Fazenda (RecordTV), Carol Narizinho é conhecida na TV desde 2012, quando se tornou "Panicat" no "Pânico na TV". Em entrevista à Quem, ela contou que as assistentes de palco do programa eram muito cobradas para terem o corpo perfeito. Em razão disso, ela fez dietas muito restritivas e até usou anabolizantes.

"Toda semana antes de entrar no ar, o diretor ia no camarim, apontava os nossos defeitos na frente uma da outra, dizia quem estava gorda, com celulite... Uma vez, ele me falou, na frente de fãs, que eu estava com celulite e que a minha bunda estava cheia de buraco. Já o vi humilhar meninas por ter estrias ou por estar com o cabelo feio", contou.

"Tanto por causa do Pânico quanto pelo Carnaval, sofria aquela pressão de estar com o corpo perfeito. Tinha que dançar e não ter uma celulite, ser durinha, perfeita... Entrei em muitas neuras. Comecei a fazer dietas absurdas, que me deixaram traumatizadas", relatou.

"Antes do 'Pânico', também fiz uso de anabolizantes porque queria o corpo dos sonho. Carrego até hoje os danos no corpo. A voz modificou, tive muita queda de cabelo, excesso de suor e espinhas. Meu joelho doía pelo excesso de carga que eu pegava", revela Carol, que hoje tem hábitos de vida mais saudáveis.

A atriz relata ainda o assédio na época, não só de fãs, como nos bastidores da atração: "Hoje o público evoluiu muito e a gente consegue olhar para trás e ver o quanto era machista. Sofri muito machismo no programa e nas matérias que eles pediam para a gente fazer".

"Muitas pessoas julgavam que toda assistente de palco era garota de programa. Muitas fazem esse tipo de coisa para ganhar mais dinheiro mesmo. Recebi muitas propostas tentadoras principalmente na época do Pânico. Propostas milionárias que se eu tivesse aceitado estaria com uma vida de rainha hoje em dia. Mas nunca quis me sujeitar a isso. Não julgo quem faz, o corpo é dela e ela faz o que quiser", conta.

Ela avalia a sua participação no reality da Record de forma positiva e, apesar de tudo, mostra gratidão ao Pânico.

"Consegui mostrar uma outra Carol e conquistar o público feminino, que não gostava de mim, tirando essa imagem que sou apenas uma mulher sensual. Não sou só isso, tenho muitos outros atributos", disse Carol, que é atriz formada. "Estudei para isso e fiz teatro. As pessoas às vezes não sabem porque eu comecei como panicat. Foi a forma que eu encontrei de mudar a realidade da minha família e conseguir espaço. Sou muito grata à oportunidade que o programa me deu", continuou.

Hoje a atriz quer distância de trabalhos que apelem para o sensual, mas abre uma exceção: "A Playboy fazia um trabalho artístico e bonito. Tenho na minha veia a sensualidade, apesar de tentar diminuí-la. Talvez se o cachê fosse muito bom, faria."

"Meu sonho é ficar milionária. Ainda não fiquei, mas pretendo ficar trabalhando e investindo. Meu outro sonho é ter um filho. Estou com 30 anos e namorando, sinto muito essa vontade de casar e de ser mãe. Mas primeiro preciso fazer muito dinheiro porque criar uma criança no Brasil não é fácil", afirma Carol.