PUBLICIDADE
Topo

Mari Palma reflete sobre cultura do cancelamento: 'Todo mundo pode errar'

Mari Palma - Divulgação
Mari Palma Imagem: Divulgação

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/02/2021 18h19

Mari Palma, de 31 anos, refletiu hoje, em vídeo publicado no YouTube, sobre a cultura do cancelamento. O assunto está em destaque nos últimos dias após várias polêmicas protagonizadas pelos confinados do BBB 21. A apresentadora diz que defende a prática, desde que seja usado para assuntos de relevância. A contratada da CNN Brasil também revelou que já sofreu abuso psicológico. As revelações aconteceram no YouTube.

"A gente discute muito o cancelamento, eu acho que o cancelamento para coisas maiores [preconceitos] tem que existir. Essas coisas têm que ser cobradas, a gente tem que insistir para que cada vez mais as pessoas parem de se comportar de maneira racista, homofóbica e machista, sim, a gente tem que cancelar isso e cobrar", iniciou Mari Palma.

"Porém, eu sou contra o cancelamento quando é um erro que não ultrapassa esse limite, porque eu acho que todo mundo é falível, então todo mundo pode errar e quando a gente condena os outros, a gente está se condenando", pontuou ela, em vídeo publicado em seu canal no YouTube.

Saúde mental

No mesmo vídeo, a jornalista também abordou temas como empatia e abusos psicológicos. "Vamos falar sobre abuso psicológico? Eu já sofri e tenho quase certeza que você já sofreu. Muitas vezes isso está acontecendo com alguém do nosso lado. A gente não percebe porque os sinais não são tão claros. Isso me fez pensar em como a gente olha para outro, principalmente, neste momento que a gente espera um posicionamento, espera sempre alguma coisa, sendo que agente tem que olhar para a gente mesmo", disse.

"Então falar de abuso psicológico, falar de saúde mental, falar de empatia é muito importante. Porém, quando a gente fala de empatia, todo mundo diz que tem, mas todo mundo diz que falta no outro. Eu acho o discurso [de empatia] muito bonito, a gente tem que se colocar no lugar do outro, tem que ter empatia, mas na prática não é assim... porque sempre que alguém faz algo que a gente considere errado, nós condenamos, julgamos, apontamos o dedo. Porém, no dia seguinte, quem pode estar fazendo algo de errado é a gente", continuou.

"Quando eu falo de erros, eu falo de erros rotineiros. De erros que podem acontecer nas nossas relações. Eu não estou falando de machismo, racismo, homofobia, transfobia e tantas outras atrocidades que a gente vê ainda em 2021. Isso são coisas que são maiores, são coisas que a gente tem que condenar mesmo, falar, criticar e apontar o dedo porque isso é muito errado", concluiu a contratada da CNN Brasil.