PUBLICIDADE
Topo

Thammy Miranda fala de ofício contra Lumena no BBB 21: 'Para que repense'

Thammy Miranda falou sobre ofício contra Lumena nas redes sociais - Reprodução/Instagram
Thammy Miranda falou sobre ofício contra Lumena nas redes sociais Imagem: Reprodução/Instagram

Colaboração para o UOL, em São Paulo

19/02/2021 19h28

Após enviar um ofício ao Ministério Público do Rio de Janeiro contra a participante do BBB 21 Lumena Aleluia, o vereador Thammy Miranda (PL-SP) falou sobre o tema nos Stories do seu Instagram. Em uma caixinha de perguntas, o político foi questionado por alguns seguidores se ele realmente tinha a intenção de abrir um processo contra a psicóloga por "racismo".

"Processo não porque eu não posso processar ela porque não foi comigo, a Carla [Diaz] que teria que processar ela. Mas eu mandei um ofício para o ministério público para poder chamar atenção para isso que ela está fazendo. Não é sobre branco ou preto, é sobre ser humano", comentou o vereador.

"Ela não gostaria que ninguém falasse para ela 'essa negritude de merda', então eu acho que ela não deve fazer com os outros. Minha intenção não é ferrar com a vida dela, muito pelo contrário, minha intenção é para que ela, como psicóloga, repense nas atitudes dela."

"Ela está dando direito, com essa atitude, das pessoas serem racistas com ela porque se ela fala 'essa branquitude de merda' ela dá o direito de outra pessoa falar' essa negritude de merda' e isso não pode acontecer. Então é para ela repensar nas atitudes dela se não ela dá direito de outras pessoas serem racistas e aí não é só com ela, né. É sobre um todo."

O vereador ainda rebateu uma crítica de outra seguidora que afirmou que "racismo reverso" não existia.

"Se você fala para mim 'seu branco de merda', você me dá o direito de falar 'seu preto de merda' e isso não pode acontecer. Não é sobre preto ou branco, é sobre ser humano. É para isso que eu estou querendo chamar atenção. Se você não respeita, você não é respeitado."

Thammy já havia adiantado que tomaria uma atitude diante das falas da participante e, ontem, compartilhou nas redes sociais imagens do documento enviado ao Ministério Público do Rio de Janeiro.

"Vocês vem acompanhando o BBB e também já devem ter se surpreendido com as falas agressivas e contraditórias da Lumena Alves no programa. Ela tem tido um comportamento que muita gente desaprova. A última dela foi atacar uma outra participante com palavras que não só agridem a ela, como a muitas e muitas pessoas que estão assistindo, com falas carregadas de desrespeito, agressividade e desinformação", defendeu.

O vereador afirmou que a denúncia ao MP-RJ não se tratava de "racismo reverso". "Estou dizendo que a fala dela ataca a paz social, pois essas frases que ela vem falando dão munição para que pessoas racistas usem para justificar o seu preconceito."

Lumena X Carla Diaz

A fala que chamou atenção de Thammy Miranda aconteceu na madrugada da última terça (16), quando Karol, Lumena e Nego Di estavam no quarto do líder - até então ocupado pela rapper curitibana. Os três criticaram o comportamento da participante Carla Diaz, com quem Lumena já vem trocando farpas há algumas semanas.

"Carla tem egotrip cagada de transbordando ali. Toda cagada na merda da branquitude. Toda cagada na branquitude. Eu não sou token preta de Chiquititas. Não vem me iludir. Vai fazer teu corre, não enche meu saco. Vai se revisitar. Eu to me revisitando na minha impulsividade", disse a psicóloga na ocasião.

Racismo reverso existe? Entenda

O racismo acontece quando há um conjunto de fatores sociais e econômicos que excluem um grupo étnico/racial da sociedade. Por isso, racismo e preconceito são temas diferentes.

A ideia de "raça" foi criada para tentar justificar o domínio que já era imposto a outras populações de forma violenta. Os efeitos do racismo no Brasil não foram reparados logo após o fim da escravidão, e eles são sentidos pela população negra e também indígena.

Ao contrário da população negra, a população branca não foi submetida ao mesmo período de privações para defender a existência do "racismo reverso".