PUBLICIDADE
Topo

Luiza Brunet conta assédio na 1ª vez em estúdio: Hoje mulheres podem falar

Luiza Brunet em capa da Marie Claire de março - Caroline Lima/Divulgação
Luiza Brunet em capa da Marie Claire de março Imagem: Caroline Lima/Divulgação

Do UOL, em São Paulo

02/03/2021 09h05Atualizada em 02/03/2021 09h05

A atriz e modelo Luiza Brunet contou que já sofreu diversas formas de assédio enquanto trabalhou em estúdios, mas que vê avanços para denunciar as práticas abusivas hoje em dia.

Além da carreira nas passarelas e nos ensaios, Luiza participou de campanhas publicitárias e de novelas, como "Anjo Mau" e "Torre de Babel".

"Desde o primeiro dia em que pisei em um estúdio, com 17 anos, sofri assédio moral, sexual, patrimonial. Hoje, mulheres podem falar em vez de sofrer caladas, como aconteceu comigo", disse ela à revista Marie Claire.

Luiza defendeu seu trabalho como modelo — na época, seu sucesso era rivalizado com o de Xuxa.

"Nem me incomodava com a forma com a qual minha imagem era retratada. Eu e a Xuxa éramos livres com nossos corpos e não tínhamos vergonha de usá-los como instrumento de trabalho", lembra.

Ela ainda analisou o julgamento que recebeu da internet quando decidiu denunciar o ex-companheiro, o empresário Lírio Parisotto, em 2016.

Na onda do "cancelamento", ela questiona como conseguiu superar tantas críticas.

"Vejo essa história de cancelamento hoje e penso em como foi difícil me manter lúcida enquanto era desqualificada, chamada de oportunista e agredida na internet, inclusive por mulheres", disse.

A também ativista e empresária lembrou quando fez um aborto aos 17 anos e um episódio após sua segunda gravidez. Luiza defende a autonomia da mulher em decidir sobre seu corpo e seu caminho.

Sei que me julgam, que tem o 'nada justifica', mas não tinha opção, tinha que trabalhar para ajudar minha família. Fiz em um lugar que não era adequado, tive medo. Oito meses depois [do parto complicado do seu segundo filho], engravidei de novo. Não tinha a menor condição de ter outra gravidez. Só nós, mulheres que tomamos essa atitude solitária e única, só a gente sabe das nossas razões