PUBLICIDADE
Topo

Matheus e Kauan criticam contratante; dupla entrará na Justiça após festa

Do UOL, em São Paulo

11/07/2021 16h08

A dupla Matheus e Kauan negou que tivesse sido contratada para um show clandestino em São Paulo. De acordo com os cantores, o contrato era para uma "pequena confraternização entre familiares e amigos" (confira a nota completa ao final deste texto).

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública do estado, a Vigilância Sanitária recebeu mais de 100 denúncias da festa realizada no bairro Jardins, zona oeste da cidade. Ainda de acordo com a pasta, foram cobrados ingressos de até R$ 1,6 mil. Cerca de 500 pessoas estavam no local.

"Um local que tinha que dar exemplo de não fazer festa infelizmente promove um evento desse tipo com quase 500 pessoas sem máscaras. Temos que ter consciência do que está acontecendo em São Paulo e no Brasil inteiro. Isso é um mau exemplo", afirmou o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, diretor do Dope (Departamento de Operações Policiais Estratégicas).

Os sertanejos afirmam que foram contratados para o aniversário da também cantora Lucyana Villar e que a venda de ingressos foi realizada sem nenhum aviso prévio.

No ato da contratação foi afirmado pelo contratante que seriam seguidos todos os decretos que regulam concentração de pessoas, adotando protocolos de segurança e que não haveria venda de ingressos. O departamento jurídico que assessora os artistas adotará as medidas cabíveis relativo ao descumprimento do contrato.

Confira a nota completa:

A dupla Matheus & Kauan foi contratada para realizar uma presença VIP no aniversário de Lucyana Villar, no dia 10 de julho de 2021 em uma pequena confraternização para familiares e amigos.

No ato da contratação foi afirmado pelo contratante que seriam seguidos todos os decretos que regulam concentração de pessoas, adotando protocolos de segurança e que não haveria venda de ingressos.

Registra-se que a dupla realizou o teste no dia e o mesmo teve como resultado "Não Reagente".

Infelizmente a parte Contratante não respeitou o pactuado, efetuando venda de ingressos sem nenhum comunicado e autorização, bem como também desrespeitou o acordado no que tange ao números de pessoas no local.

O departamento jurídico que assessora os artistas adotará as medidas cabíveis relativo ao descumprimento do contrato.