PUBLICIDADE
Topo

Jornalista mostra assédio sexual antes de entrar no ar nos EUA: 'Nojento'

Brianna Hamblin estava prestes a entrar no ar quando um homem passou fazendo comentários sobre sua aparência - Reprodução/Instagram
Brianna Hamblin estava prestes a entrar no ar quando um homem passou fazendo comentários sobre sua aparência Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

27/07/2021 11h32

Brianna Hamblin, repórter do canal Spectrum News nos Estados Unidos, fez um desabafo nas redes sociais nesta semana sobre o dia a dia das jornalistas mulheres.

Ela postou um vídeo em que aparece se preparando para uma entrada ao vivo no canal, mas é interrompida por um homem que a assedia sexualmente, fazendo comentários sobre sua aparência e sobre sua pele negra.

No início do vídeo, um homem pergunta educadamente se está aparecendo na filmagem, ao que a jornalista e o câmera respondem que não. Então, outro homem se aproxima e diz: "Você é bonita pra car****. Por**. É melhor eu não estar aparecendo nessa mer** de câmera".

De forma agressiva, ele questiona por que ela está filmando, e Brianna diz que ele pode descobrir assistindo ao noticiário.

Então, ele rebate: "Sabe, é por isso que eu não posso ficar sozinho com uma mulher negra. Ou uma mer** de uma m*lata. Não suporto essas mulheres brancas". A jornalista tenta cortá-lo: "Acabamos por aqui, tenha um ótimo dia".

Ela é ignorada pelo homem, que continua: "Você é sexy pra c******". Quando eles se afastam, ela se dirige ao câmera: "Meu Deus".

Ao publicar o vídeo no Instagram, Brianna diz que esse tipo de assédio é comum: "Infelizmente, como mulher, e especialmente mulher jornalista em campo, receber cantadas ou ser assediada acontece com tanta frequência que você aprende a ignorar. Dessa vez, por acaso, aconteceu segundos antes de eu entrar no ar".

Em seguida, ela aponta os problemas com a atitude do homem no vídeo, começando pela abordagem agressiva para saber se está sendo filmado. Ela também questiona a fala dele: "O que faz você pensar que as mulheres querem ouvir isso? Não é lisonjeiro. É desconfortável, é nojento".

Ser uma mulher negra nessa indústria tem seus problemas, mas diminuir um grupo de mulheres para 'elogiar' outro NUNCA é certo. Só mostra que você tem um fetiche nojento baseado em estereótipos, o que é igualmente racista. Brianna Hamblin

"Eu tive sorte de ter um cinegrafista comigo. No meu último trabalho, eu precisava lidar com essas coisas SOZINHA, como a maioria das mulheres jornalistas. Não é seguro, é assutador", finaliza Brianna.