PUBLICIDADE
Topo

Digão, do Raimundos, nega ser apoiador de Bolsonaro e chama Lula de 'farsa'

Digão negou ser apoiador de Bolsonaro e reafirmou antipatia por Lula - Divulgação
Digão negou ser apoiador de Bolsonaro e reafirmou antipatia por Lula Imagem: Divulgação

Colaboração para o UOL

02/08/2021 18h35

O cantor Digão, de 50 anos, líder do grupo de rock Raimundos, falou abertamente sobre seu posicionamento político e negou ser apoiador do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), mas ressaltou ser crítico do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva desde que o petista se candidatou a presidente, ainda no século passado.

Em entrevista ao podcast "À Deriva", no YouTube, o músico foi enfático ao dizer que "nunca" demonstrou apoio a Bolsonaro e que só ouviu falar no político durante as eleições de 2018, quando o então deputado federal surgiu como favorito para vencer o pleito.

"Nunca apoiei Bolsonaro, velho. Nunca falei: 'ah, eu sou Bolsonaro'. Meu problema com a esquerda vem muito antes de existir Bolsonaro. Fui saber do Bolsonaro quando estava para ganhar as eleições. Meu problema vem da época do 'Lula-lá'", declarou, ressaltando que, mesmo não se considerando apoiador de Jair Bolsonaro, ele também não é entusiasta da campanha "ele não", encabeçada por críticos à gestão do mandatário.

Em outro momento, Digão afirmou que considera Lula uma "farsa", que a esquerda quer colocá-lo novamente no poder, e negou que, em sua opinião, o rock seja um estilo musical ligado à esquerda política. Para ele, se for para ser contra o sistema, tem "que cobrar de todo mundo".

"Uma coisa que está fodend* o rock é essa desunião. O rock está enfraquecido por isso", ponderou ele, que se tornou desafeto do cantor Tico Santa Cruz, vocalista do Detonautas.

Tico chamou Digão de "bunda mole"

Em maio, Tico Santa Cruz, em uma série de críticas a Digão, disse que o líder dos Raimundos não tem coragem de externar seu apoio ao governo de Jair Bolsonaro. Na ocasião, o roqueiro saiu em defesa de Pe Lu, ex-vocalista do Restart, que chamou Digão de "roqueiro reaça", o que acabou incomodando o artista.

Ele [Digão] não tem culhão para assumir que apoia um governo fascista. Mas que ele apertou o 17 [número de Bolsonaro na urna, em 2018], que se identifica com essas palhaçadas, é verdade. Digão, tu é um bunda mole. Roqueiro reacionário não combina", afirmou o líder do Detonautas em vídeo compartilhado no Instagram.