PUBLICIDADE
Topo

Sikêra Júnior entra com ação de R$ 100 mil alegando perseguição LGBTQIA+

O apresentador Sikêra Jr. no "Alerta Nacional" - Reprodução/RedeTV!
O apresentador Sikêra Jr. no "Alerta Nacional" Imagem: Reprodução/RedeTV!

Weslley Neto

Do UOL, em São Paulo

05/08/2021 20h37

Sikêra Júnior entrou com uma ação no Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas em que pede uma indenização de R$ 100 mil contra o ativista Agripino Guimarães alegando danos morais ao ser perseguido pela comunidade LGBTQIA+.

O UOL teve acesso aos documentos e conversou com Agripino Magalhães. Sikêra pediu a retirada imediata de conteúdos postados nas redes sociais em que Agripino fala sobre ele, mas o pedido foi negado pelo tribunal em 29 de julho.

Apesar de a primeira decisão do juiz Yuri Caminha Jorge ser favorável ao ativista, o processo continua em andamento. Sikêra também pode recorrer e pedir novamente a exclusão dos conteúdos publicados.

Ele fala coisas absurdas sobre a comunidade LGBTQIA+ em rede nacional e acha que pode me fazer desistir com os processos, mas não acontecerá. Vou lutar para ele ser preso ou nunca mais repetir as coisas que ele fala na TV.
Agripino Magalhães em entrevista ao UOL

Em julho, Sikêra Júnior chamou a atenção do público ao descrever o movimento LGBTQIA+ como uma "raça desgraçada". O apresentador pediu desculpas e afirmou ter se excedido após perder patrocinadores por conta da declaração.

Histórico de processos

Agripino Magalhães, suplente de deputado estadual em São Paulo pelo PSB, possui dois processos em andamento contra Sikêra Júnior. A primeira ação aconteceu em setembro de 2020 por conta de comentários considerados homofóbicos pelo ativista.

O segundo processo foi aberto em maio deste ano. "Ele me chamou de 'suplente de baitola' e 'vagabundo' ao vivo", afirmou Agripino sobre o apresentador do "Alerta Nacional", da RedeTV!

"Estou pedindo R$ 400 mil por conta das declarações. Ele e o Franz Vacek, superintendente de jornalismo da RedeTV!, foram intimados para a sequência do processo", disse o ativista.

Segundo Agripino, o pedido de remoção das postagens também foi negado na ação que Sikêra moveu contra o apresentador Neto, que chamou o jornalista de homofóbico durante o programa "Os Donos da Bola", exibido pela Band.

O UOL entrou em contato com a equipe de Sikêra Júnior pedindo posicionamentos sobre o processo e as declarações de Agripino Magalhães. A RedeTV!, que teve a direção de jornalismo citada pelo ativista, também foi procurada pela reportagem.