PUBLICIDADE
Topo

PMs são presos por sequestro e tortura de apresentador da Record em RR

Apresentador Romano dos Anjos tinha programa policial na afiliada da Record em Roraima e foi feito refém e torturado em outubro de 2020 - Instagram/reprodução
Apresentador Romano dos Anjos tinha programa policial na afiliada da Record em Roraima e foi feito refém e torturado em outubro de 2020 Imagem: Instagram/reprodução

Ailton Alves

Colaboração para o UOL, em Boa Vista

16/09/2021 19h50Atualizada em 16/09/2021 21h09

Seis homens foram presos, na manhã de hoje, por suspeita de participação no sequestro e tortura do jornalista Romano dos Anjos, então apresentador do programa policial "Mete Bronca", na TV Imperial, afiliada da Record em Roraima. Cinco dos investigados são policiais militares, incluindo um coronel da reserva — e todos são ex-funcionários do deputado estadual Jalser Renier (Solidariedade-RR). Um PM ainda está foragido.

Em coletiva de imprensa, o jornalista se disse mais tranquilo com as prisões e garantiu confiar na Justiça para a solução do caso. "O Ministério Público sempre dá um passo seguro para depois dar outro. Acredito que esse foi o primeiro passo para chegar até o mandante", declarou.

As detenções foram parte da Operação Pulitzer, que cumpriu mandados de prisão temporária em aberto e outros 14 mandados de busca e apreensão em Boa Vista. O crime foi registrado em 26 de outubro de 2020, quando o jornalista teve a casa invadida, foi feito refém, agredido e teve o braço fraturado, até ser libertado no dia seguinte.

Segundo informações do MPRR (Ministério Público de Roraima), além de cinco dos seis presos serem PMs, os seis prestavam serviço à Assembleia Legislativa de Roraima e também no gabinete do Deputado Estadual Jalser Renier (Solidariedade). De acordo com informações apuradas pela reportagem do UOL, eles exerciam as funções de motorista e de segurança.

Procurada, a assessoria de imprensa da Assembleia Legislativa de Roraima informou que "os investigados não fazem mais parte do quadro de servidores na atual gestão". Já o deputado estadual Jalser Renier alegou "estar surpreso e informa que desconhece o teor das investigações".

A reportagem procurou a defesa dos investigados, mas, até o momento, só conseguiu acesso aos representantes de dois deles. Segundo os advogados, ainda não é possível se posicionar sobre o assunto porque a defesa não teve acesso ao processo. O espaço segue aberto para atualização com esclarecimentos das partes.

O crime

Romano dos Anjos foi surpreendido por criminosos armados dentro da própria casa, na noite do dia 26 de outubro de 2020. Após a invasão, o apresentador foi feito refém e levado para um local desconhecido.

Enquanto esteve em poder dos sequestradores, a vítima foi agredida, a ponto de ter um dos braços fraturado.

O jornalista só foi encontrado no dia 27, às margens da BR-174, na zona rural de Boa Vista. Ele foi visto por um caminhoneiro, que o encontrou com os pés e as mãos amarrados.

À época, Romano dos Anjos afirmou que o crime seria motivado pelas denúncias de cunhos policial e político no programa que apresentava na TV. Desde o crime, o jornalista encontra-se afastado do programa.