PUBLICIDADE
Topo

Gloria Perez relembra confusão com Sheik nos bastidores de 'O Clone'

Gloria Perez relembra perrengues em "O Clone" - Reprodução/Globo
Gloria Perez relembra perrengues em "O Clone" Imagem: Reprodução/Globo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

07/10/2021 09h34

O Clone, em reprise no "Vale a Pena Ver de Novo", está fazendo sucesso novamente.

A novela foi memorável tanto para o público, como também para Gloria Perez. Hoje, a roteirista contou que estava feliz com a reexibição de um dos seus trabalhos de maior sucesso e também relembrou alguns dos perrengues que passou nos bastidores do folhetim.

o clone - João Miguel Junior/Divulgação/TV Globo - João Miguel Junior/Divulgação/TV Globo
O Clone está sendo reprisada no TV Globo
Imagem: João Miguel Junior/Divulgação/TV Globo

Para o podcast "Novela das 9", Gloria relembrou que para fazer a novela, teve que ter muito preparo, e até a ajuda do Sheik Jihad, que era consultor da obra para levar com riqueza os detalhes da cultura muçulmana. Até um dia que ela chegou no set e ele estava chorando.

"Ele olhou pra mim e disse: 'Você quer nos destruir!'. Eu fiquei arrasada com aquilo e falei: 'Sheik, eu estou fazendo tudo com todo o cuidado, carinho, dedicação'. Aí ele me mostra uma cena onde o Tio Ali, interpretado por Stênio Garcia, dizia pra Jade: 'O Livro Sagrado diz...' e ele balançava o livro. Acontece que o livro que o Sheik tinha dado era em árabe. E o Alcorão em árabe é Deus encadernado, você não pode sacudi-lo. Você pode sacudir o Alcorão em qualquer tradução, mas em árabe não pode. É Deus encadernado. E aí foi imediatamente substituído aquele Alcorão e posto outro, e o Sheik entendeu que não houve ofensa nenhuma, que foi uma coisa de absoluta ignorância disso", relembra a autora.

E apesar de ser um sucesso a história se passar em Marrocos, a ideia original do romance de Jade e Lucas era ser retratado no Egito. Mas, os planos mudaram depois de uma entrevista de Eliane Giardini, a intérprete de Nazira.

"Primeiro nós íamos fazer no Egito. Eu passei 20 e tantos dias lá. Eis que a Eliane Giardini me dá uma entrevista dizendo que espera que a novela também sirva para falar das mulheres, da libertação... Bom, fomos proibidos de gravar no Cairo (risos). Por isso nós fomos para o Marrocos, e foi uma experiência muito interessante", contou Gloria.