PUBLICIDADE
Topo

Juliette rebate deboche de José de Abreu sobre PEC após foto com biquíni

José de Abreu debochou de Juliette após a campeã do "BBB 21" opinar sobre a PEC 5/21 - Reprodução/Instagram
José de Abreu debochou de Juliette após a campeã do 'BBB 21' opinar sobre a PEC 5/21 Imagem: Reprodução/Instagram

Do UOL, em São Paulo

20/10/2021 16h47Atualizada em 21/10/2021 13h49

O ator José de Abreu debochou de Juliette após a campeã do "BBB 21" (TV Globo) opinar sobre a PEC (Proposta de Emenda Constitucional) 05/21. Ontem, no Twitter, ela declarou que a alteração na emenda fere a independência do Ministério Público e viola a autonomia dos procuradores e dos promotores de Justiça.

Hoje, após a ex-BBB publicar uma foto de biquíni, José de Abreu escreveu: "Tá preocupadíssima com a PEC", e acrescentou um emoji de beijo.

Juliette respondeu: "Viva, de folga, presente e preocupadíssima com a PEC sim, bebê".

Após a resposta da paraibana e de receber algumas críticas, o ator corrigiu o comentário. "Querida, pode brincar, não pode? Tenho acompanhado seu dia-a-dia de imenso trabalho. Bom descanso. Sou seu fã", escreveu.

Ele ainda disse que Juliette é uma pessoa "maravilhosa" e que "fez uma brincadeira", mas "tá tudo muito sério".

PEC 05/21

A PEC, de autoria do deputado Paulo Teixeira (PT-SP) e relatada pelo deputado Paulo Magalhães (PSD-BA), altera a composição do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público), órgão responsável por realizar a fiscalização administrativa, financeira e disciplinar do Ministério Público e de seus membros.

Na proposta, o número de membros do conselho passaria de 14 para 17, saltando de duas para cinco as vagas indicadas pelo Congresso. O Ministério Público poderia escolher sete membros para o CNMP.

Uma dessas vagas seria reservada para um membro do Ministério Público dos estados ou do Distrito Federal e Territórios, que seja ou tenha sido procurador-geral de Justiça. Esse membro teria o cargo de corregedor nacional — uma das funções mais importantes no CNMP. Ele seria, ainda, vice-presidente do conselho, substituto do presidente em sua ausência.

Hoje, o corregedor nacional é eleito pelos membros do conselho em votação secreta. Associações ligadas a promotores e procuradores alertam para a possibilidade do aumento da interferência política na instituição com a aprovação da PEC.