Virei coveira por ser mulher

Sonia Abrão rebate fama por mortes, relembra agressão da Globo e coloca Anitta no "freezer"

Paulo Pacheco Do UOL, em São Paulo
Carine Wallauer/UOL
Carine Wallauer/UOL Carine Wallauer/UOL

Cabelo preso, língua solta, vida livre

Sonia Abrão recebeu o UOL na produtora do irmão e seu diretor, onde grava o programa A Tarde É Sua, e ficou quase à vontade, se não fosse o corte de cabelo malfeito que a fez prender o cabelo para aparecer ao vivo na RedeTV! e a deixou meio sem jeito na hora de posar para o ensaio que ilustra esta reportagem.

O cabelo pode estar preso, mas a língua não. Polêmica e controversa, ela manda para a "geladeira" do programa quem caiu em seu conceito. Ao UOL, vai além: congela no "freezer" a cantora Anitta ("Vive de fake news") e o jornalista Evaristo Costa ("Bobo e metido").

Criada pela mãe, Cecília, para ser "independente", Sonia cresceu no auge da revolução sexual e do feminismo, e preserva algumas dessas características: considera o casamento uma "prisão" e vê machismo em quem a acusa de explorar mortes por audiência:

Datena não tem essa fama. Sobrou para mim, porque sou mulher.

"Rata" de jornal, Sonia migrou para a TV como jurada de programas de três dos principais comunicadores do Brasil: Silvio Santos, Chacrinha e Flávio Cavalcanti. Como repórter do SBT, apanhou da Globo na histórica entrevista ao vivo com a mulher do ator Gerson Brenner, baleado durante um assalto.

Em 2020, completará 20 anos como apresentadora com uma das maiores audiências diárias da RedeTV!. "Já chegamos a picos de quatro pontos", ressalta.

Sonia Abrão rebate fama de coveira e abre "freezer" para famosos

Clique aqui para assistir à entrevista completa com Sonia Abrão

Carine Wallauer/UOL Carine Wallauer/UOL

"Acham que sou uma mulher sozinha"

Sonia Abrão namora? Solteira há 13 anos, ela afirma ser cobrada "por todo mundo" para assumir um romance: "Acham que sou uma mulher sozinha". A apresentadora admite ter relacionamentos, mas lida muito bem com a solidão.

"Sou uma grande amiga de mim mesma. Adoro minha companhia, juro para você. Desde criança eu gosto de solidão. Preciso. Mesmo casada, era muito legal quando meu marido ia viajar e eu tinha uns dias só para mim. Nunca tive esse problema. Vivo assim agora. Mas não quero me casar novamente", sentencia ela, que se relacionou durante 17 anos com o empresário Jorge Damião, com quem tem um filho.

"Não consegui me casar no papel, de verdade. Tenho uma resistência a esse tipo de coisa, mas lá fui eu casar, ter filhos, constituir minha família. Eu tive um bom casamento, fui feliz, não vou dizer que foi sofrido, nada, foi tudo muito legal, mas existia uma Sonia aqui dentro que estava querendo a liberdade, ser solteira, não ter vínculos. A estrutura do casamento te aprisiona. Essa rotina mata muito o relacionamento", analisa.

Sexo é a chama da vida. As mulheres entenderam que esse prazer pode se estender sempre, porque era uma coisa: 'Ah, não, chegou a menopausa e acabou sua vida sexual, acabou o seu tesão, seu prazer'. E não é bem assim. A medicina está aí avançadíssima para isso. Acho que dá para levar durante um bom tempo

Sonia Abrão

Sonia Abrão, sobre vida sexual aos 58 anos

Carine Wallauer/UOL Carine Wallauer/UOL
Carine Wallauer/UOL Carine Wallauer/UOL

Falar de morte "é muito sofrido"

Com tantas mortes em 2019, a internet resgatou o meme "Sonia Caixão", para zoar a intensa cobertura fúnebre da apresentadora. Ela não se importa com as brincadeiras, considera as críticas ao "excesso de sangue" em seu programa um tanto machistas, já que outros apresentadores policiais não são chamados de "coveiros" como ela.

"Numa parte foi muito divertido, porque o pessoal é muito criativo, de verdade. Tem coisa que você olha e ri, porque não tem outro jeito. Mas não fiz nada diferente do que todos os outros fazem, do que o Datena faz, o pessoal faz no Balanço Geral, do que o Bacci faz. Ninguém fala absolutamente nada. Ninguém tem fama de que fala de morte. Sobrou para mim, por quê? Porque sou mulher, com toda certeza. Não tenho a menor dúvida em relação a isso", compara.

A apresentadora revela ter sofrido e ficado depressiva por noticiar tragédias:

Se eu puder ter a opção de não fazer mais programa com pegada policial, eu não quero mais, porque é muito sofrido. Não é porque o pessoal vai falar, porque vão começar os memes de novo. É muito sofrido, de verdade.

"Todo mundo aqui saía arrastando corrente, porque lida com dor, sofrimento, morte o tempo todo. Foi dando uma depressão mesmo. Não quero voltar para essa área, mas não sou eu que escolho, tenho que trabalhar", afirma.

Não acho fofoca uma coisa pejorativa. Venho de uma época em que não te respeitavam como jornalista, não só a mim, mas todo o pessoal que entrava em jornal para fazer coluna de televisão. Tinha muito esse papo: 'Eu estava indo para a cozinha e minha empregada viu não sei o quê'. Conforme a TV foi conquistando mais público e se firmando como grande veículo de comunicação, abriu o mercado e levou as TVs a começarem a abrir o seu próprio espaço

Sonia Abrão

Sonia Abrão, sobre os programas de TV sobre celebridades

Quatro mestres

  • Hebe

    "Uma vez, no Dia Internacional da Mulher, era o aniversário dela e claro que ela fazia um especial com muitas mulheres famosas, e eu era uma das convidadas. Perto do fim do programa, ela ainda não tinha perguntado para mim, a Daniela Mercury começou a puxar um Parabéns a Você para ela. 'Não, não, não! Não falei com a Sonia ainda! Preciso falar com ela! Parem o Parabéns!'. Ela parou o Parabéns de todo mundo para poder falar comigo"

    Imagem: José Dawson
  • Flávio Cavalcanti

    "Ele me chamava de Ciganinha, porque achava que eu tinha cara de cigana. Eu me sentia pertencendo a um time. Quando infartou no ar, ele não saía do palco. Estava na maca, veio ambulância e não conseguiram tirá-lo de lá. No dia em que teria alta, saímos para recebê-lo e festejar. No meio do caminho, veio a informação de que ele tinha morrido. Foi uma cacetada. Foi aí que descobri que tem uma hora que não conseguimos ser 100% jornalistas"

    Imagem: Reprodução
  • Chacrinha

    "Ele falava para mim: 'Você é uma otária!'. 'Ué, por quê?'. 'Porque você não sabe ganhar dinheiro!'. 'Mas eu tenho meu salário!'. 'Mas não é suficiente, você tem que ganhar dinheiro com a sua profissão! Faça rádio, faça televisão'. Na reta final, em que estava mal de saúde, eu fazia o júri do Cassino uma vez por mês e via que ele estava indo embora mesmo. A última vez que fiz foi muito doloroso. Não consegui escrever o texto da morte dele"

    Imagem: Reprodução/TV Globo
  • Silvio Santos

    "Fiquei conhecida no Brasil por causa dele. No meu primeiro Troféu Imprensa, eu estava muito nervosa e ele percebeu, deu o maior apoio, e eu me senti muito acolhida. Em 1988, quando estava ameaçado de perder a voz, fui cobrir a volta dele. Ele me viu no meio daquela multidão de repórteres e falou: 'Vem aqui', e me colocou sentada no júri do Show dos Calouros para fazer uma pergunta representando a imprensa"

    Imagem: Reprodução/Instagram
Carine Wallauer/UOL Carine Wallauer/UOL
Carine Wallauer/UOL Carine Wallauer/UOL

Globo x SBT: ameaça e agressão

Em 1998, Sonia Abrão participou de um dos momentos mais intensos da guerra de audiência aos domingos, entre Gugu Liberato e Fausto Silva. SBT e Globo disputaram a tapa a primeira entrevista de Denize Tacto, então mulher do ator Gerson Brenner, internado após ser baleado na cabeça durante um assalto.

Sonia, na época repórter do Domingo Legal, tinha sido despistada por uma jornalista da Globo que afirmou que Denize, grávida, tinha passado mal e ido embora. A representante do SBT, porém, acompanhou a equipe do Domingão do Faustão montando um "cenário" no saguão do hospital. Hoje, ela relata ter sofrido ameaças e agressões durante a transmissão ao vivo.

"A equipe começou a pisar nos cabos para desplugar nosso microfone e nossa câmera, a menina veio por trás e começou a chutar minha canela e minha barriga da perna, e eles ficavam tentando me derrubar. Quando ela sentou naquele sofazinho, eu caí de joelho e taquei o microfone na boca. Ela estava acompanhada de um médico que falava assim para mim: 'Sai daqui, se não vou falar que ela está passando mal e a culpa é sua, que ela vai ter problema no parto e a culpa é sua'. Outra menina veio por trás e começou a me beliscar, fiquei toda roxa", recorda.

Sem treta

O cessar-fogo de Sonia Abrão na TV

João Miguel Júnior/Globo João Miguel Júnior/Globo

Boninho

"Tinha época em que ele falava assim: 'Quero ver o que vai ser o programa da Sonia sem Big Brother', como se a gente vivesse disso, mas é coisa da cabeça do Boninho. Depois, ficou uma coisa mais amistosa, mais legal de se trabalhar, sem animosidade. Achei bárbaro. Esse ano, ele mesmo falou: 'Não sou tão rico quanto o Tiago Leifert, por isso não mando bonequinho, mas estou mandando uma foto'"

Reprodução/RedeTV! Reprodução/RedeTV!

Raul Gil

"Comentei com ele: 'Nossa, você pegou pesado comigo [no quadro do chapéu com Leo Dias], você sabe quem eu sou'. E ele foi para o ar e falou tudo isso! Fiquei p... da vida. Às vezes, fica dando corda para quem está lá te ferrando de uma maneira injusta. Não falei mais com ele, até o dia em que fez a surpresa, entrou aqui cantando, cheio de rosas. Você vai fazer o quê? Meu amigo há 30 anos! Eu amo! Estava puta, mas eu o amo"

Edu Moraes/Record TV Edu Moraes/Record TV

Record

A história da Vida Vlatt [que perdeu contrato com a Record após A Fazenda por ter dado entrevistada a Sonia Abrão] foi um episódio à parte. Quer brigar? Briga com a gente. Quer processar? Processa a gente, mas não um participante que não tinha culpa de nada. Ela simplesmente falou por telefone e nada do que já não tivesse sido dito na própria Record. Passou o calor do acontecimento, ninguém rompeu contrato e cancelou salário"

Carine Wallauer/UOL Carine Wallauer/UOL
Carine Wallauer/UOL Carine Wallauer/UOL

"BBB já deu, só cubro pelo público"

O bonequinho agasalhado de Tiago Leifert, enviado pelo próprio apresentador, é quase um troféu para Sonia Abrão. Na final do BBB18, ele implorou ao vivo para sair da geladeira do A Tarde É Sua e projetou ainda mais o programa da RedeTV!.

"O Leifert é mais descontraído. Esse ano, ele mandou o bonequinho, uma miniatura todo agasalhadinho, caso a gente fosse colocá-lo na geladeira de novo. Foi muito legal esse tipo de coisa. [Ele foi para a geladeira] porque não estava apresentador, era mais um jogador na história e influenciava o jogo todo", explica.

Apesar da boa relação com o BBB, Sonia Abrão não acompanha mais o reality. Se dependesse da apresentadora, aliás, nunca mais falaria dele no programa, como prometeu várias vezes no ar. Cobertura, mesmo, só por causa da audiência.

"Por mim, já deu, de verdade. Eu amava reality quando surgiu, virou uma mania. Acompanhei gostando até o BBB7. Gostar eu não gosto mais. O BBB19 praticamente não cobrimos porque não estava legal. Informávamos apenas o que dava mais repercussão, como a expulsão e as notícias de páginas policiais [refere-se às investigações contra Paula e Maycon por intolerância religiosa]. Por mim, não cobriria mais, mas não sou eu que decido isso, a última palavra é do diretor."

Divulgação/Record Divulgação/Record

"Virei campeã da Fazenda com Rafael Ilha"

Sonia Abrão não faz questão de esconder a parcialidade ao falar sobre a vitória do "compadre" Rafael Ilha na décima edição de A Fazenda, reality da Record: "Quando o Mion falou 'É Rafael Ilha!', eu gritava muito em casa, e o meu filho falou: 'Mãe, você está louca!'. Fiquei muito feliz, virei campeã também".

A proximidade entre Sonia e Ilha é de longa data e tornou-se mais conhecida quando ela escreveu a biografia do ex-Polegar, As Pedras do Meu Caminho, que detalha o vício em drogas do cantor. A apresentadora admite que se preocupou com o amigo durante o confinamento e quis que ele desistisse para manter a sanidade.

"Falei assim: 'Ele não vai conseguir aguentar aquela pressão. Ele vai estourar e vai para fora do jogo'. Quando vi que o pessoal começou covardemente a usar a história da dependência química contra ele, retomando um passado que foi extremamente doloroso, não aguentei. Aquilo me indignou profundamente. Eu achei muito desumano, muito cruel. Muitas vezes eu disse no programa: 'Bate o sino, cara!'. Sabe o trabalho de anos para uma pessoa se remontar, se reconstruir e retomar sua vida? Queria que ele saísse."

Quem vai para o freezer da Sonia?

  • Anitta

    "Freezer total, com certeza! É uma artista que até tem um trabalho representativo, tanto que faz o sucesso que faz, mas que vive de fake news, de factóides, precisa estar na mídia a todo custo. É uma coisa desnecessária. Acaba parecendo que tudo é fabricado mesmo, mesmo quando é verdadeiro. Acho que peca por esse excesso"

    Imagem: Matheus Lima/Brazil News
  • Joelma

    "Joelma eu tiro do freezer. Ela foi amadurecendo e parou de fazer aquela perseguição toda com o Ximbinha. Contestei o comportamento perigoso de insuflar em grandes shows a multidão contra ele na época em que ele ainda estava no palco. Gosto mais do Ximbinha do que da Joelma, não tenha dúvida. Acho ele muito mais autêntico"

    Imagem: Reprodução/SBT
  • Neymar

    "Não coloco no freezer, mas na geladeira, sim, porque dá para tirar (risos). Não concordo com o comportamento como atleta, acho que ele não se respeita e não respeita o clube, o colega, então acho que ele se perdeu no caminho, topou de certa maneira ser mais celebridade do que atleta. Ele é ótimo, mas está queimando o próprio filme"

    Imagem: Christian Pondella/Getty Images
  • Padre Fábio de Melo

    "Nunca colocaria o padre Fábio de Melo. Ele foi para a geladeira umas duas vezes e pedia para tirar porque não queria ter pneumonia (risos). Foi uma vez em que ele falou do Clodovil e quando fez a pegadinha de que tinha passado mal e parecia que ele estava no hospital. Na verdade, era uma brincadeira e todo mundo levou a sério"

    Imagem: Marco Antônio Teixeira/UOL
  • Evaristo Costa

    Padre Fábio de Melo nunca foi para a geladeira por causa do Evaristo. O Evaristo é um chato de galocha, bobo, ficou bem metido, estrelinha. Ele acha que porque é campeão de seguidor pode botar banca em cima de todo mundo, não pode. Ele eu colocaria no freezer, pode deixar lá e não tirar mais. Era um bom profissional, mas para mim não faz a menor falta. Dony de Nuccio é melhor"

    Imagem: Reprodução
  • Jair Bolsonaro

    É muito cedo ainda para a gente falar, sabe? Quero dar pelo menos um ano, por enquanto acho tudo prematuro. Não ponho nem tiro. Onde põe? Em um vidro de conserva? (risos). Tenho essa posição de esperar que tudo dê certo. Acho que estamos em um caminho de amadurecimento. Talvez tenha sido preciso errar agora para quebrar um ciclo e recomeçar lá na frente"

    Imagem: Mauro PIMENTEL / AFP

Curtiu? Compartilhe.

Topo