Topo

Televisão


Vegana do "Troca de Esposas" revela cachê e desabafa: "Fui usada e traída"

Antonio Chahestian/Record TV
Nana Indigo e o marido, Bruno Gomes, com a apresentadora Ticiane Pinheiro nos bastidores do "Troca de Esposas" Imagem: Antonio Chahestian/Record TV

Felipe Pinheiro

Do UOL, em São Paulo

18/02/2019 16h32

Integrante do episódio de estreia do "Troca de Esposas", da Record, a ativista vegana Nana Indigo, que trocou de família com a da chef Aritana Maroni, está indignada pela forma como a sua participação foi exibida no reality show. Em entrevista ao UOL, Nana revelou o cachê que ganhou para entrar no programa e diz que só aceitou o convite por acreditar que teria espaço para defender seus valores. 

"Para mim, a única razão que me fez participar dessa odisseia demoníaca foi para poder falar do veganismo e levar a mensagem de amor aos animais e à natureza para a TV aberta", afirma. "Durante as gravações, já percebi: escolheram a dedo uma família que não tem nenhuma causa para defender, que vive de reality show. Para eles era um jogo e para mim era uma causa muito séria", completa. 

Segundo a ativista, que chegou a descrever a sua revolta em um post nas redes sociais, a emissora deturpou cenas de sua participação e não exibiu nada que a favorecesse. "Não explicaram por que eu reverencio o lixo, que muita gente vive do que a gente joga fora. Não explicaram por que eu abraço árvore, que é porque as árvores estão morrendo e que sem árvore o planeta vai definhar. Não explicaram nada do que eu falei sobre o valor do amor. Tiraram todas as explicações e me mostraram como uma maluca lunática que atira pedra na lua", critica. 

Nana diz que já tinha se dado conta da "arapuca", como ela descreve, em que se meteu durante as gravações, mas ainda assim acreditou que poderia ter ficado satisfeita quando o programa fosse ao ar. Não foi o que aconteceu. 

"A sensação foi de ter sido usada porque o veganismo está na crista da onda. Além de conseguir audiência, eles destroem a imagem dos veganos. Fui usada e traída. Traída por dizerem que o programa seria bacana, que iríamos conseguir mostrar a causa, que os animais seriam mais respeitados, quando na verdade me colocaram numa fogueira enorme", declara. 

Nana cita cenas que foram cortadas da edição do programa e acusa a direção de induzi-la a ter comportamentos que gerassem conflito.

"Na hora de fazer a regra, eu disse: 'Não vou tirar a carne de vocês'. A família ficou me olhando estarrecida. Não acredito em liberdade forçada. Eu disse,:'Em troca de não tirar a carne, gostaria que vocês refletissem sobre isso'. A produção falava: 'Não, tira a carne da geladeira só para desocupar. É melhor você tirar'. A cena das crianças beijando o bacon estava na cara que eles [da produção] estimularam as crianças. Eles comeram carne todos os dias. Eu não proibi".

A ativista também diz que recebeu um cachê bem menor do que o de Aritana, que engatou participação no quarto reality seguido: "Ganhei um cachê de bosta que mal deu para pagar as contas da minha casa: foram R$ 10 mil enquanto a Aritana recebeu R$ 80 mil". 

Procurada pela reportagem, a assessoria da Record disse que a emissora não vai se manifestar sobre o assunto.

Antonio Chahestian/Record TV
Ticiane Pinheiro comanda debate com os casais do primeiro episódio do "Troca de Esposas" Imagem: Antonio Chahestian/Record TV
 

"Cabeça de porco no quintal"

Nana Indigo diz que não tem sido fácil enfrentar as consequências da exibição do "Troca de Esposas". Ela afirma que vem recebendo ameaças, que chegaram a dizer que "jogariam uma cabeça de porco em seu quintal", e que a família está chateada pela repercussão negativa da exposição no reality.

"São muitas ameaças e bem contundentes. Estou bastante assustada e com medo de acharem meu endereço [na internet] porque o negócio ficou forte. Minha família está muito chateada. Enfiei eles nessa armadilha gigante e agora preciso dar conta de tudo isso", lamenta. 

Ela também diz que chegou a pensar em entrar na Justiça contra a emissora, mas desistiu; "Cogitei processar por danos morais, mas a moral dos veganos num país pecuarista já é danada o suficiente. Não pretendo fazer mais nada e vou seguir a vida. Vou fechar as minhas redes sociais".