Topo
Mauricio Stycer

Mauricio Stycer

Canal Viva usa lógica da TV aberta para cortar e encurtar “Bebê a Bordo”

Mauricio Stycer

01/05/2018 16h33

Campanha nas redes sociais contra os cortes feitos pelo Viva na novela


A notícia de que o Viva, pela primeira vez, está exibindo de forma editada, e não na íntegra, uma reprise de novela chocou os espectadores. Cortar "Bebê a Bordo", como está sendo feito, é visto pelos maiores fãs como uma espécie de traição. E eles não deixam de ter razão. No ar desde 2010, o canal se tornou uma referência para quem gosta de teledramaturgia.

O Viva, aparentemente, está fazendo cortes motivado por uma lógica que é de TV aberta – a trama de Carlos Lombardi estaria provocando fuga de espectadores.

Ora, como todo canal da TV por assinatura, o Viva, que é da Globosat, é mantido pelos assinantes. Uma parcela do que cada pessoa paga à sua operadora é transferido à dona do canal. Esse modelo não exclui a venda de publicidade, também. Mas nenhum canal pago é, como na TV aberta, dependente exclusivamente de anúncios comerciais.

Acho muito improvável que alguém decida cancelar o seu pacote porque não está gostando da exibição de "Bebê à Bordo". E também não parece lógico imaginar que uma perda de receita com publicidade por causa da reprise de uma novela afete tanto assim a Globosat.

O motivo real deve ser outro. O canal estaria se rendendo a queixas sobre o conteúdo "ousado" da novela de Lombardi – o texto abusado e debochado, repleto de insinuações de caráter sexual. Repito o argumento anterior: alguém vai cancelar o seu pacote de TV paga por isso?

É verdade que o mercado de TV por assinatura vive um momento ruim. O número de assinantes é o mais baixo desde outubro de 2013. Mas daí a querer encerrar de forma mais rápida a exibição de uma novela de 1988 me parece uma decisão muito equivocada.

Veja também
TV paga regride ao número de assinantes que tinha em outubro de 2013
Canal Viva muda após descobrir que público de novela não é só "mulherzinha"
Em decisão inédita, Viva retalha exibição de Bebe a Bordo
Após queixas, Viva diz que irá exibir capítulos de "Bebê a Bordo" editados

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.

Mauricio Stycer