Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Divulgar uma cirurgia íntima é a última fronteira do excesso de exposição

Mauricio Stycer

23/05/2019 05h01

Quem observa a sem cerimônia com que as celebridades expõem detalhes da própria intimidade, sempre se pergunta: qual é o limite? Há muito tempo já acompanhamos, em tempo real, o que os famosos almoçaram, onde estão passando as férias, quem estão namorando e a que filme assistiram à noite.

Mas estes são detalhes prosaicos, sem maior emoção. Tipo uma Sessão da Tarde da intimidade. A obsessão em falar de si e acertar as contas com o patrocinador têm levado muitas celebridades a lugares inimagináveis.

Não é raro, hoje em dia, conhecermos em detalhes os cuidados com a saúde e a beleza dos famosos. Falo de fotos no Instagram expondo procedimentos estéticos no rosto, tratamentos dentários sofisticados, fisioterapias para arrumar a lombar e treinos pesados com o personal na academia.

Este tipo de divulgação, como disse, une o útil ao agradável: o famoso promove (e, eventualmente, paga) quem o ajudou, além de saciar a curiosidade dos seus fãs.

Creio que o lugar mais longe a que chegou o compartilhamento da intimidade é a divulgação de detalhes sobre cirurgias íntimas. A pioneira desta tendência, parece, foi Ângela Bismarchi – em 2009, ela contou ao saudoso site Ego que reconstituiu o hímen, voltando a ser virgem, pelas mãos do cirurgião Wagner de Moraes, também seu marido.

Em 2012, ao explicar a cirurgia íntima a que se submeteu, Geisy Arruda revelou a seus seguidores no Twitter que não queria mais ter "uma couve-flor no lugar da vagina". O detalhamento que ofereceu, além de ir para os Trending Topics, despertou a imaginação de outras celebridades.

Esta semana, por exemplo, ao revelar detalhes da cirurgia íntima a que se submeteu, a ex-BBB Letícia Santiago (imagem no alto do texto) trocou o mundo vegetal pelo animal ao buscar palavras para falar da primeira reação do marido ao ver o resultado da operação: "Miguel apelidou de hipopótamo porque está bem roxo e inchado."

Espero que esta seja a última fronteira em matéria de exposição de intimidade. Não aguento mais. Os mais pessimistas, porém, acham que estou sendo ingênuo ou otimista demais. Para eles, ainda vem coisa pior por aí.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.