Topo
Blog do Mauricio Stycer

Blog do Mauricio Stycer

Prêmio de cinema homenageia Ruth de Souza com imagem de cantora americana

Mauricio Stycer

15/08/2019 16h54

A atriz Ruth de Souza (1921-2019), morta no final de julho, foi homenageada durante a 18° edição do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, na noite de quarta-feira (14). O único problema é que a imagem projetada no telão não era dela, mas da cantora e atriz americana Eartha Kitt (1927–2008).

Em 2013, Ruth de Souza recebeu uma premiação no Grande Prêmio de Cinema pelo conjunto da obra (ao lado, uma imagem da atriz jovem). Cenas desta homenagem foram exibidas antes de a imagem da cantora americana ser projetada no telão.

O erro passou sem comentários durante a premiação, realizada no Theatro Municipal, em São Paulo, mas foi percebido por espectadores que acompanharam a transmissão pelo Canal Brasil.

Em nota enviada ao blog, a Academia Brasileira de Cinema, responsável pelo prêmio, lamentou o erro:

"A Academia Brasileira de Cinema lamenta pelo erro cometido ao exibir, no Grande Prêmio do Cinema Brasileiro, uma foto da cantora norte-americana Eartha Kitt na homenagem à atriz Ruth de Souza in memoriam. Foi um erro que não diminui a intenção da Homenagem. No mais, lamentamos o equívoco e nos retratamos pela falha."

Fãs também notaram duas ausências nas homenagens aos artistas que morreram nos últimos 12 meses: a atriz Etty Fraser (1931- 31 de dezembro de 2018) e o ator Caio Junqueira (1976 – 24 de janeiro de 2019).

Além de Ruth de Souza, Domingos de Oliveira e João Gilberto mereceram destaque maior nas lembranças. Também foram mencionados durante a cerimônia Antonio Penido, Antunes Filho, Bibi Ferreira, Carlos Cortez, Carlos Alberto Ratton, Clovis Molinari Jr., Cristina Camargo, Edina Fuji, Flora Diegues, Geraldo Veloso, Joel Barcellos, Leonardo Machado, Luis Rosenberg Filho, Marcelo Yuka, Miguel Serpa Pereira, Pedro Rovai e Rubens Ewald Filho.

Veja também
. Grande Prêmio do Cinema Brasileiro 2019: Conheça os principais vencedores
. Bruno Covas diz que não filtrará produções audiovisuais: "O nome disso é censura"

Siga o blog no Facebook e no Twitter.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre o autor

Mauricio Stycer, jornalista, nascido no Rio de Janeiro em 1961, mora em São Paulo há 30 anos. É repórter especial e crítico do UOL. Assina, aos domingos, uma coluna sobre televisão na "Folha de S.Paulo". Começou a carreira no "Jornal do Brasil", em 1986, passou pelo "Estadão", ficou dez anos na "Folha" (onde foi editor, repórter especial e correspondente internacional), participou das equipes que criaram o diário esportivo "Lance!" e a revista "Época", foi redator-chefe da "CartaCapital", diretor editorial da Glamurama Editora e repórter especial do iG. É autor dos livros "Topa Tudo por Dinheiro - As muitas faces do empresário Silvio Santos" (editora Todavia, 2018), "Adeus, Controle Remoto" (Arquipélago, 2016), “História do Lance! – Projeto e Prática do Jornalismo Esportivo” (Alameda, 2009) e "O Dia em que Me Tornei Botafoguense" (Panda Books, 2011).

Contato: mauriciostycer@uol.com.br

Sobre o blog

Um espaço para reflexões e troca de informações sobre os assuntos que interessam a este blogueiro, da alta à baixa cultura, do esporte à vida nas grandes cidades, sempre que possível com humor.