Topo
Blog do Nilson Xavier

Blog do Nilson Xavier

Sem graça e ultrapassado, humor em "O Outro Lado" só reforça preconceitos

Nilson Xavier

13/03/2018 23h49

Foto: reprodução

Já escrevi anteriormente: a Globo extinguiu o "Zorra Total" e Walcyr Carrasco o ressuscitou em "O Outro Lado do Paraíso" (leia AQUI). 2018 e a novela das nove da maior emissora do país promove um humor anacrônico, apelativo e de mau gosto que debocha de minorias e oprimidos. As prostitutas do bordel da trama são constantemente motivo de chacota enquanto a anã Estela (Juliana Caldas), sem função alguma na novela, foi escanteada para uma reedição tosca da "Escolinha do Professor Raimundo". Abordar a prostituição de forma responsável e as dificuldades dos anões para quê?… se a piada é a maneira mais fácil de obter audiência.

Walcyr Carrasco ainda tem dois meses pela frente para empurrar goela abaixo do público seu texto raso em tramas inverossímeis e inconsistentes. A alta audiência da novela reflete um público nem um pouco interessado em raciocinar ou refletir. Sob este prisma, "O Outro Lado do Paraíso" cumpre muito bem a sua meta: entreter somente. Novela nenhuma tem a obrigação de fazer merchandising social. Mas até que o autor fez direitinho quando tratou da questão da pedofilia.

Não precisa ter campanha de conscientização, nem resvalar no politicamente correto – às vezes, passa a impressão de que é só para "mostrar serviço". Entretanto, espera-se de qualquer produto audiovisual um mínimo de qualidade (dramatúrgica, no caso de uma novela) e o comprometimento com a pauta da sociedade. Não quer falar, não fala. Mas também não esculhamba!

Em "A Força do Querer", Glória Perez foi aclamada pela abordagem digna à causa LGBT. Carrasco, na novela seguinte, apela para o grotesco com o único intuito de arrancar o riso fácil (Samuel de calcinha e batom) e trata os gays com piadinhas do tipo "sempre usou cor-de-rosa, por isso ele gosta de vestir calcinha" ou "Deus não dá asas a cobra" (a mãe, que busca a cura gay do filho, sobre a possibilidade de ele engravidar).

Todo avanço conquistado por "A Força do Querer" na discussão sobre homossexualidade e transexualidade parece jogado ladeira abaixo cada vez que surge o núcleo de Samuel (Eriberto Leão) em "O Outro Lado do Paraíso". É como ter avançado 2 passos e depois voltado 3. Não se trata aqui de cobrar o politicamente correto, mas garantir o patamar alcançado e não haver retrocesso.

Esse núcleo "de humor" do Samuel não é só ruim porque não tem graça. É ruim porque também reforça preconceito, estigmatização e estereótipos. Não é mimimi de politicamente correto. Trata-se de um grande desserviço para o país que mais mata LGBTs no mundo.

Siga no Facebook – Twitter – Instagram

Sobre o autor

Nilson Xavier é catarinense e mora em São Paulo. Desde pequeno, um fã de televisão: aos 10 anos já catalogava de forma sistemática tudo o que assistia, inclusive as novelas. Pesquisar elencos e curiosidades sobre esse universo tornou-se um hobby. Com a Internet, seus registros novelísticos migraram para a rede: em 2000 lançou o site Teledramaturgia (http://www.teledramaturgia.com.br/), cujo sucesso o levou a publicar o Almanaque da Telenovela Brasileira, em 2007.

Sobre o blog

Um espaço para análise e reflexão sobre a produção dramatúrgica em nossa TV. Seja com a seriedade que o tema exige, ou com uma pitada de humor e deboche, o que também leva à reflexão.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Nilson Xavier