PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Fefito


Falta a famosos a coragem de Xuxa e Marcos Frota em doc sobre João de Deus

GloboPlay lança série documental sobre a história e os crimes atribuídos a João de Deus - Globo/Mauricio Fidalgo
GloboPlay lança série documental sobre a história e os crimes atribuídos a João de Deus Imagem: Globo/Mauricio Fidalgo
Fefito

Fernando Oliveira, conhecido como Fefito, é formado em jornalismo e pós-graduado em direção editorial. Teve passagens pela IstoÉ Gente, Diário de S. Paulo, iG, R7. Atuou como apresentador do Estação Plural, da TV Brasil, Mulheres, da TV Gazeta, e Morning Show, da Jovem Pan.

Colunista do UOL

24/06/2020 12h40

Resumo da notícia

  • Repleto de relatos contundentes, "Em Nome de Deus" mostra arrependimento de Xuxa por relação com João Teixeira de Faria
  • Já Marcos Frota afirma que interpretaria o suposto médium em um filme sobre ele
  • Várias celebridades preferiram o silêncio a se manifestar sobre os crimes dos quais ele foi acusado

A série documental sobre João Teixeira de Faria, antes conhecido como João de Deus, é arrebatadora. Ao longo de seis episódios, e por meio de depoimentos fortíssimos, "Em Nome de Deus", do GloboPlay, explora com sucesso as muitas histórias de abuso do médium internacionalmente conhecido, mas, sem querer, deixa de se aprofundar em um fator importante: a atual relação entre celebridades e o autointitulado espiritualista.

Até hoje, é possível encontrar em redes sociais imagens de alguns famosos com o condenado pela Justiça ou na Casa Dom Ignácio de Loyola, em Abadiânia, no interior de Goiás. É o caso de nomes como Cissa Guimarães, Wagner Santisteban, Paula Burlamaqui e Thiago Rodrigues, cujas fotos ainda podem ser vistas em seus perfis pessoais ou no Instagram da Casa.

Ninguém quer dizer com isso, no entanto, que ainda exista algum tipo de simpatia por João. Mas foram muitas as celebridades que preferiram o silêncio a comentar as atrocidades das quais o suposto médium foi acusado. No documentário produzido pela equipe do "Conversa com Bial", dois nomes decidiram falar: Xuxa Meneghel e Marcos Frota.

A apresentadora da Record reconhece ter encontrado conforto por causa dos tratamentos espirituais pelos quais sua mãe passou, mas em nenhum momento coloca em dúvida os relatos das vítimas. Diz ter "gratidão com um misto de vergonha" e vai além: afirma que pessoas ao seu redor chegaram a colocar em xeque algumas das mulheres que vieram a público.

Já Marcos Frota é mais comedido e diz pensar no condenado pela Justiça com "muito carinho". O ator revela ainda que o interpretaria no cinema, em um longa-metragem inspirado pela vida de João Teixeira. O projeto, claro, não deve sair do papel. Pelo menos não nos moldes anteriormente pensados. Chama ainda atenção a coragem de Déborah Kalume, atriz até então casada com o cineasta Fábio Barreto (1957-2019), que passou anos em coma após um acidente de carro. Ela narra um episódio de abuso enquanto tentava buscar a cura para o marido.

Antes de as denúncias virem à tona, toda sorte de famosos apareceu em Abadiânia. Um documentário sobre o dito médium chegou a ser exibido em sessão estrelada no Festival do Rio. Até mesmo Oprah Winfrey e Shirley McLaine passaram pelo Brasil para conhecer o suposto milagreiro. Falta a muitas dessas pessoas fazerem seu mea culpa. Nem todas se posicionaram. Querendo ou não, acabaram funcionando como peça de propaganda e divulgação para alguém acusado de crimes horrendos.

Fefito