PUBLICIDADE
Topo

Coluna

Leo Dias


Grupo Globo organiza live pornô, mas fracassa em repercussão

Dread Hot e Alemão, vencedores do prêmio de melhor cena de sexo oral do Prêmio Sexy Hot em 2019 - Divulgação
Dread Hot e Alemão, vencedores do prêmio de melhor cena de sexo oral do Prêmio Sexy Hot em 2019 Imagem: Divulgação
Leo Dias

Leo Dias é jornalista e diretor-executivo do "TV Fama", da Rede TV!. Foi correspondente internacional da rádio portuguesa RDP, passou pelas TVs Bandeirantes e RedeTV! e apresentou um programa na rádio FM O Dia, líder de audiência no Rio de Janeiro, onde entrevistava políticos, jogadores de futebol, dirigentes e muitos artistas. Assinou uma coluna de celebridades no jornal "O Dia" e também esteve nos jornais "Extra" e nas revistas "Contigo", "Chiques e Famosos", "Amiga" e "Manchete". Apesar dessa experiência, sempre se definiu como repórter, tamanha paixão pela apuração da notícia e pela vontade em produzir conteúdos exclusivos. Polêmico, controverso e dono de uma forte personalidade, Leo conquistou um público cativo por dar notas explosivas e audaciosas num mundo artístico mais conservador. Seu lema: "A fama tem um preço estou aqui para cobrar".

Colunista do UOL

16/05/2020 04h02

Disposto a penetrar em todas as áreas possíveis e imagináveis do setor de comunicações do país, o Grupo Globo deu um passo bem ousado na noite desta sexta-feira (15). O Sexy Hot, braço de entretenimento adulto da empresa, juntou dois astros da indústria pornô para uma live de sexo.

Os convocados para protagonizar as cenas de amor intenso ao vivo foram nomes bem conhecidos do público mais saidinho: Dread Hot e Alemão, vencedores do prêmio de melhor cena de sexo oral do Prêmio Sexy Hot em 2019.

Dread Hot, sozinha, ostenta expressivos 686 mil fãs em sua página oficial no Instagram. Seu namorado, o Alemão, é acompanhado por 36 mil pessoas, enquanto o canal por assinatura da Globo tem 305 mil seguidores. Ou seja: a combinação dos três deveria ser um sucesso estrondoso, não é mesmo?

Deveria, mas não foi. Contrariando todo o alcance prévio e a extensa campanha publicitária de divulgação, a live foi um verdadeiro fracasso de comentários nas redes sociais. No Twitter, que repercute até os cultos da madrugada da Record, a situação foi vexatória.

A Coluna do Leo Dias contabilizou apenas 49 tweets com a #DreadEAlemãoNoSexyHot. Além do número ser baixo, apenas oito contas fizeram publicações sobre a transa promovida pelo canal fechado do Grupo Globo. E, destas contas, algumas chamaram a nossa atenção.

Uma delas, com o nome de João Antonio, foi criada apenas para comentar sobre a produção do Sexy Hot e utiliza uma foto de perfil tirada de um banco de imagens russo. Outra delas, que usa uma imagem de Manu Gavassi, tem comportamento parecido: surgiu na noite de sexta e apenas comentou a live.

Das 49 publicações com a hashtag, 13 foram feitas pelo perfil de Matilde Sotte — algumas, por sinal, foram até retuítadas pela página oficial do Sexy Hot. Para os mais desavisados, poderia ser uma simples assinante do canal.

Mas não é. Uma simples pesquisa no Google revelou que Matilde é funcionária da própria Globosat, justamente na área de mídias sociais. E nem precisávamos ir longe para descobrir isso.

"Tô tendo que assistir para tuítar e ajudar minhas amigas, mas eu tô surtando", confessou ela alguns tweets antes de começar a reproduzir as cenas de sexo entre Dread Hot e Alemão. A dupla, pelo visto, não foi a única a ter um trabalho gozado na noite de sexta-feira.

O fracasso de repercussão da live poderia ser justificado com o fato de ser um canal pay-per-view, que não está disponível para todos os assinantes. Poderia, mas não é. O Sexy Hot disponibiliza sete dias gratuitos em sua plataforma de streaming, mas nem assim conseguiu fazer a audiência subir.

*Com colaboração de Gabriel de Oliveira.

Leo Dias