PUBLICIDADE
Topo

Televisão

Ratinho, Mallandro e Índia Aigo: Como era a Gazeta antes da Universal

Ratinho, Sérgio Mallandro e Índia Aigo foram estrelas da TV Gazeta antes da chegada da Igreja Universal - Montagem/UOL/Reprodução/TV Gazeta/Facebook
Ratinho, Sérgio Mallandro e Índia Aigo foram estrelas da TV Gazeta antes da chegada da Igreja Universal Imagem: Montagem/UOL/Reprodução/TV Gazeta/Facebook

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

30/08/2018 04h00

A Gazeta deixará de vender horários para a Igreja Universal do Reino de Deus, que ocupava duas horas da faixa nobre da rede paulista desde 2002. Antes de negociar parte de sua grade para programação religiosa, 16 anos atrás, o canal exibia produtos bem menos "sagrados", como "mallandrinhas", jornal policial e uma "índia" com seios de fora.

"A Fundação Cásper Líbero informa que A TV Gazeta deixará de exibir programação de cunho religioso produzido pela Igreja Universal do Reino de Deus, a partir do próximo dia 15 de setembro. Após 16 anos de relação contratual, a Universal propôs reduzir seu tempo de exposição na grade da nossa emissora com diminuição desproporcional dos valores negociados, o que não foi aceito", explicou a emissora.

"Nesta transição, a TV Gazeta ocupará os horários disponibilizados com conteúdo próprio e seu projeto vencedor de varejo, o Gazeta Shopping, Motors e Imóveis", informou a Gazeta em nota divulgada pela coluna do jornalista Flávio Ricco, do UOL.

Embora já tenha definido o que vai levar ao ar no horário da igreja, a Gazeta bem que poderia voltar 16 anos no tempo e relembrar momentos de grande audiência --e algum constrangimento-- com programas que marcaram época.

7 atrações da Gazeta antes da Igreja Universal

  • Reprodução/CNT Gazeta

    Ratinho em rede nacional

    A parceria entre a rede paranaense CNT e a paulista Gazeta levou para todo o Brasil um apresentador bravo, sem medo de bandido e que quebrava tudo no estúdio: Ratinho. Em 1996, estreou em rede nacional com o "190 Urgente", depois rebatizado como "Cadeia", e o sucesso rendeu a ele uma proposta da Record. Em um ano, tornou-se a maior audiência da emissora, e pouco tempo depois, migrou para o SBT em uma milionária e turbulenta transação

  • Reprodução/CNT Gazeta

    Sérgio Mallandro

    Sérgio Mallandro deitou e rolou na Gazeta com o "Festa do Mallandro". Em maio de 1999, chegou a registrar 17 pontos de audiência e bateu a Globo, fazendo o apresentador comemorar destruindo o próprio cenário. O segredo do sucesso? Pegadinhas de gosto muito duvidoso --a atração ofereceu açúcar como se fosse cocaína a Rafael Ilha no auge de sua dependência química-- e Mallandrinhas como Vivi Fernandez, ex-atriz pornô, hoje estrela de pegadinhas, e Lívia Andrade, atual queridinha de Silvio Santos

  • Reprodução/Facebook

    Índia Aigo

    Lançado em 1999, "Clipper" tinha videoclipes, bandas ao vivo e interatividade, ingredientes de qualquer programa jovem. Mas a atração apresentada por Drica Lopes ganhava audiência quando aparecia Índia Aigo. A musa, que tinha sido demitida da Band após uma briga com Otaviano Costa, dava açaí na boca dos rapazes no "Ritual do Reconhecimento". Por causa dos seios de fora, o programa precisou deixar as tardes da emissora e migrou para a noite, e pouco tempo depois saiu do ar

  • "Chaves" fora do SBT

    Já pensou em assistir a "Chaves" fora do SBT? Isso foi possível em 1997, quando a Gazeta, em parceria com a CNT, exibiu episódios inéditos da série mexicana, gravados entre o final dos anos 80 e início dos 90, além de personagens ainda desconhecidos no Brasil, como o ex-ladrão Chómpiras. O programa fez sucesso mesmo com os atores um pouco mais enrugados e gordos e a dublagem ter muitas vozes diferentes

  • Reprodução/CNT Gazeta

    Hugo

    Antes de vender horários para a Igreja Universal, a Gazeta, em parceria com a CNT, faturava com as ligações das crianças para Hugo, duende protagonista do considerado primeiro programa interativo da TV brasileira. Com as teclas do telefone, os participantes comandavam os passos do personagem e passavam de fase. A atração, que estreou em 1995, foi o primeiro videogame de muitos meninos e meninas, que deixavam os pais apavorados com o valor da conta telefônica no fim do mês

  • Reprodução/TV Gazeta

    "Gigantes do Ringue"

    O telecatch esteve na programação da TV brasileira desde os anos 60, e a Gazeta foi a última emissora onde a luta livre --com muitos toques de encenação-- teve espaço cativo. "Gigantes do Ringue", gravado em ginásios pela Grande São Paulo, estreou na emissora em 2000 e registrou boa audiência com os golpes e as acrobacias quase circenses. Atolados em dívidas, os organizadores decidiram encerrar a atração cinco anos depois

  • Reprodução/TV Gazeta

    "Ligação"

    A Gazeta já "sextava" muito antes do surgimento da gíria "sextou". O "Ligação", programa exibido às sextas, levava ao auditório da emissora grupos de pagode, musas do axé e duplas sertanejas que bombavam na programação da rádio Gazeta FM, pertencente à mesma fundação mantenedora da TV, na década de 1990. Inicialmente, foi apresentado por Gutto Moreno. Depois, por Marcelo Augusto

Televisão