Coluna

Ricardo Feltrin

2º em ibope no país, Silvio Santos tem maior público dos últimos seis anos

Divulgação/equipe Criação Visual SBT
Imagem (exclusiva) do avatar de Silvinho Santos em traje de gala para comemorar a chegada de 2018 Imagem: Divulgação/equipe Criação Visual SBT
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

20/12/2017 08h01Atualizada em 20/12/2017 08h30

Assim como para outras TVs, 2017 será um ano economicamente turbulento para o SBT, mas a atração de seu fundador não tem do que reclamar: registrou a maior audiência e o maior público dos últimos seis anos

O “Programa Silvio Santos” termina o ano como vice-líder isolado de audiência no Painel Nacional, em São Paulo e no Rio de Janeiro --só atrás da Globo.

No caso do PNT, que traz a média das 15 maiores regiões metropolitanas do país, Silvio superou a Record em 48 dos 50 embates até o momento. Sua média anual é de de 10,8 pontos, contra 8,8 da Record; e 20,6 da líder Globo, 3,6 pontos da Band, e 2,5 pontos da RedeTV!.

Cada ponto no PNT equivale a cerca de 240 mil domicílios ligados. Ou seja, Silvio tem cerca de meio milhão de domicílios sintonizados a mais que a rival Record. 

Seu programa atinge até 19% de share. Em outras palavras, em alguns domingos cerca de uma em cada 5 TVs ligadas no país sintoniza o “Programa SS” em algum momento.

Segundo dados da Kantar Ibope Media, cada edição do programa do dono do SBT chega a ser visto, ao menos por um minuto, por até 32 milhões de brasileiros.

Em São Paulo, principal mercado publicitário, ele também vai bem. Venceu a Record em 29 dos últimos 31 embates.

SUCESSO DE PÚBLICO E GRANA

Silvio é dono de uma das atrações do SBT com maior audiência --e um dos melhores resultados comerciais-- da própria casa.

O dominical tem todos os seus breaks preenchidos por dezenas de diferentes marcas e produtos.

E o que é mais curioso é que Silvio, 87 anos, só não  ganha mais dinheiro para si e para o SBT porque simplesmente se recusa a fazer merchandisings ou propagandas para quaisquer outras marcas que não as de seu grupo empresarial (Grupo SS).

Conforme esta coluna informou com exclusividade em junho último, o dono do SBT já recusou no passado uma proposta comercial da JBS que poderia ter atingido os R$ 100 milhões, entre investimentos e cachês para ele.

E isso nem é um recorde em termos de valores.

Para desespero de muitos executivos que passaram pela emissora, o apresentador e principal mandatário da emissora sempre se recusou a vender horários para igrejas.

Diz-se que já rejeitou anos atrás propostas de R$ 200 milhões anuais da Igreja Universal, e cerca do mesmo tanto da Mundial do Poder de Deus, para vender suas madrugadas.

Colunista no Twitter, no Facebook ou no site Ooops!

Leia Mais

Guerra pelo 2º lugar entre Record e SBT é por décimos de ibope

O dia e que Silvio recusou R$ 100 mi para fazer propaganda da Friboi

Dono do SBT rejeitou vender madrugadas para igrejas milhões

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Colunas - Ricardo Feltrin
Topo