PUBLICIDADE
Topo

Minuto a minuto: As primeiras horas da estreia da CNN Brasil

Tela na estreia da CNN Brasil - Reprodução / Internet
Tela na estreia da CNN Brasil Imagem: Reprodução / Internet
Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin é colunista do UOL desde 2004. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros cargos.

Colunista do UOL

16/03/2020 09h54

O canal pago CNN Brasil estreou ontem após mais de um ano de preparação administrativa, física e contratação de profissionais.

Embora não tenham sido revelados valores, sabe-se que é o maior investimento em telejornalismo no Brasil nas últimas duas décadas.

No total, entre contratados e colaboradores, a emissora pretende somar 800 pessoas no país.

A CNN tem hoje três polos-sedes no pais: São Paulo (principal), Rio e Brasília.

O último canal de notícias lançado no Brasil foi a RecordNews, em 2007. No entanto, ele jamais cumpriu sua função jornalística, além de sua audiência ser até hoje irrisória (deu 0,14 ponto de Ibope, segundo a Kantar, em janeiro).

Na verdade, em termos de público é bom lembrar que todas as TVs pagas têm audiências ínfimas perto do que é registrado pelas TVs abertas.

Em janeiro, por exemplo, a GloboNews, principal canal de notícias do país (até a chegada da CNN Brasil), registrou 0,54 ponto no Painel Nacional de Televisão (PNT) entre 7h e 0h.

Nessa medição cada ponto equivale a cerca de 260 mil domicílios nas 15 maiores regiões metropolitanas.

Ou seja, a GloboNews foi vista no país por cerca de 130 mil domicílios, em média, em cada dia daquele mês.

Para efeitos de comparação, isso equivale ao público de uma RedeTV —a menor das TVs abertas.

Veja como foram as primeiras horas da CNN ontem, em sua estreia

Aproximadamente das 20h às 23h30

- Vídeos institucionais: "olá" dos apresentadores e do canal: 30min

- Cobertura do Coronavírus (ao vivo e gravações): 1h20

- Cobertura das manifestações pró Bolsonaro: 4min

- Entrevista ministro Luiz H. Mandetta, da Saúde: 6min

- Entrevista presidente Jair Bolsonaro: 7min

- Entrevistas Poderes com William Waack: 34min

Ricardo Feltrin no Twitter, e site Ooops

Ricardo Feltrin