TV e Famosos

Paola diz que "MasterChef" está mais difícil: "Sem cozinheiro atrapalhado"

Reprodução/Facebook/Paola Carosella
Paola Carosella diz estar mais confortável diante das câmeras: "Nessa terceira edição, eu chego mais leve" Imagem: Reprodução/Facebook/Paola Carosella

Felipe Pinheiro

Do UOL, em São Paulo

15/03/2016 07h00

Jurada de duas edições do "MasterChef Brasil" ao lado de Henrique Fogaça e Eric Jacquin, Paola Carosella diz que o nível dos 21 participantes está mais elevado nesta temporada. De acordo com a chef, competidores demonstram estar mais confiantes na disputa que já tem cerca de um mês de gravações e estreia nesta terça-feira (15), na Band.

"Sinto que os participantes estão mais calmos, não estão atrapalhados. Não vamos ver um Mohamad nas bancadas (risos)", disse ela, referindo-se ao aspirante a troféu MasterChef que não era muito adepto da organização na cozinha e que virou queridinho do público feminino. "Tem muito mais talentos e pessoas que cozinham bem. Vai ser difícil para eles e para nós escolhermos", completou.

A chef argentina diz que não há fórmula para vencer o "MasterChef", mas ter alguma cautela pode ser importante para se dar bem na competição. "Um prato nunca pode representar um desafio que vai além da capacidade. Se o salto é muito longo, você não vai conseguir pular. Não pode fazer aquilo que não sabe porque não dará certo. Dentro dos limites de cada talento, é preciso apresentar algo que seja autêntico. A gente se influencia por muitas coisas, mas é necessário ver que o cozinheiro não está só copiando", afirmou.

A experiência em duas temporadas com cozinheiros amadores e uma com crianças faz com que Paola esteja mais tranquila em frente às câmeras. Ela acredita que a adaptação dela e dos companheiros Fogaça e Jacquin seja mérito do trabalho feito pela equipe do programa, como o diretor Patrício Diaz e a apresentadora Ana Paula Padrão.

"Não sei se mudei como jurada, mas todos nós [os jurados] nos sentimos mais confortáveis. Todo esse cenário da televisão já não é mais tão desconhecido. Imagina, na primeira temporada chegaram três cozinheiros, que já são de uma profissão que não é a mais sociável do mundo – a gente conversa com alfaces. Foi chocante. Nessa terceira edição, eu particularmente chego mais leve. Adoro trabalhar com a Ana, Jacquin e Fogaça. Gosto de estar perto deles. É divertido", disse.

Divulgação
Henrique Fogaça, Ana Paula Padrão, Paola Carosella e Erick Jacquin Imagem: Divulgação

Participantes "experts"

Guerra de realities: Entre "MasterChef" e "BBB16", qual você vai ver às terças?

Resultado parcial

Total de votos
Total de votos

Nesta terceira temporada, Ana Paula Padrão promete uma seleção de participantes tão talentosa no fogão quanto pronta para jogar. Em entrevista ao UOL, a apresentadora disse que os cozinheiros estão mais estratégicos e perderam a inocência das primeiras edições.

"A diferença para as duas outras edições é que eles [participantes] já vêm muito preparados como personagens e trazem uma estratégia muito elaborada e não são mais tão inocentes. Eles já viram as outras edições, entenderam que arriscar demais e ficar no topo é um fator que leva ao fracasso porque no dia em que se arrisca demais e erra, está fora. Eles já entenderam que ganha a competição quem está sempre no meio, quem tem um desempenho médio. Isso não é talento culinário, é estratégia. Essa edição é para os fortes", afirmou.

As provas, diz a apresentadora, estão "mais audaciosas". Com desafios inspirados no formato lá de fora, o programa desafiará os participantes a prepararem uma refeição para 200 pessoas de uma unidade do Corpo de Bombeiros e a disputarem outro teste em uma escola de samba do Rio. Serão 25 episódios na disputa pelo prêmio de R$ 150 mil, uma bolsa de estudos na escola de gastronomia Le Cordon Bleu, em Paris, e o troféu MasterChef. Os dois finalistas ganharão R$ 1 mil por mês durante um ano em compras em um supermercado. A final está prevista para início de agosto. 

Conselho de vencedora

Lucas Ismael/Band
Izabel, que venceu a segunda edição "MasterChef Brasil", diz que ter estudado a ajudou muito durante o programa Imagem: Lucas Ismael/Band
Segunda vencedora do "MasterChef Brasil", Izabel Alvares vê a vitória no programa como resultado de muita dedicação e também um pouco de sorte. "O principal é refletir sobre aquilo que você não sabe fazer e tentar estudar tudo o mais rápido possível, nem que seja vendo vídeos e tentando decorar [as receitas]. Isso para mim foi essencial. Não dá para saber o que vai acontecer, mas fui anotando tudo e estudando", falou.

Ela, que antes do programa trabalhava como produtora de eventos, atribui ao "MasterChef" uma mudança significativa em sua vida. "Mudei de área, então essa é uma das maiores mudanças [que o programa proporcionou]. Estou bem mais autoconfiante e me sentindo muito melhor. O 'MasterChef' foi um aprendizado", afirmou.

Izabel ganhou, como prêmio pela vitória no "MasterChef", R$ 150 mil e um curso de gastronomia na escola Le Cordon Bleu, em Paris. "Vou fazer o curso no segundo semestre e por isso estou estudando francês e trabalhando para juntar dinheiro. Não mexi no prêmio porque quero investir no meu próprio negócio com esse dinheiro", contou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais TV e Famosos

Topo