TV e Famosos

"Liberdade, Liberdade" aposta na aventura, e elenco vibra com cenas de ação

Reprodução/TV Globo
Andreia Horta em cena como Joaquina: sequências de ação em "Liberdade, Liberdade" Imagem: Reprodução/TV Globo

Giselle de Almeida

Do UOL, no Rio

11/04/2016 07h00

As menções à Inconfidência Mineira e à vinda da corte real portuguesa para o Brasil podem até remeter às aulas de História, mas o elenco de "Liberdade, Liberdade", que estreia nesta segunda-feira (11), após "Velho Chico", voltou a ser criança mesmo na hora de gravar as várias cenas de ação que dão o tom da novela. Além de poder carregar um pouco mais nas tintas nas cenas de sexo, que o horário permite, a trama que conta a história de Joaquina (Andreia Horta) aposta suas fichas num elemento pouco explorado nos folhetins mais recentes: a aventura.

Intérprete da filha de Tiradentes (Thiago Lacerda), que volta ao país 20 anos após a morte do pai, Andreia classifica a preparação para o trabalho de "bem radical", já que o elenco teve aulas de tiro, de esgrima e de equitação. "Era um tempo mais selvagem. Gravar com aquela roupa, lutando, atirando, mantendo a arma no punho horas para fazer uma sequência inteira, sobe no cavalo, senta no formigueiro... É uma loucura! Aí eu reclamava: 'Ai, meu cabelo'. Joaquina me revela a mulherzinha que mora em mim", brinca a atriz.

Bruno Ferrari, que volta à Globo depois de 10 anos na Record, no papel do revolucionário Xavier, comemora a chance encarnar os heróis da infância. "Gravei outro dia uma cena de espadas maravilhosa, me senti o Highlander (risos)! A gente tenta fazer com o maior cuidado possível porque está ali na adrenalina, pode ser que se machuque, mas faz parte", afirma.

Reprodução/TV Globo
Romulo Estrela e Bruno Ferrari em cena de luta de espadas em "Liberdade, Liberdade" Imagem: Reprodução/TV Globo

Mateus Solano, que encarna o vilão Rubião, já machucou o braço durante uma cavalgada. E é por situações como essa que o diretor Vinícius Coimbra não curte tanto comandar sequências de ação. "É trabalhoso, mas, principalmente, é tenso. Como diretor, voce é responsável pela integridade física dos atores e dos dublês. O cara que vai capotar com o cavalo e rolar no chão é um ser humano. Se ele se machuca, você fica se sentindo culpado", afirma.

Mas a graça está no desafio, para Dalton Vigh, sedentário convicto, que passou a malhar sempre que pode para aguentar o pique que as cenas de Raposo exigem. "A gente é moleque, a gente fazia essas brincadeiras com 7, 8 anos de idade. E hoje ganhamos para isso! Ficar sentado vendo o dublê fazer não tem graça, o legal é botar a mão na massa, mas dentro do limite. Uma vez fui tentar pular de uma pedra lá em Diamantina para mostrar para o diretor que eu conseguia fazer e quase torço o joelho. Enfim, é a idade", brinca o ator de 51 anos.

Divulgação/TV Globo
Joaquina (Mel Maia na primeira fase) e Raposo (Dalton Vigh) em "Liberdade, Liberdade" Imagem: Divulgação/TV Globo

Para o autor Mario Teixeira, a aventura é mais um ingrediente útil para a trama. "Gosto muito de Alexandre Dumas (autor de "Os Três Mosqueteiros" e "O Conde de Monte Cristo"), era um autor que usava e abusava da História a serviço da narrativa. Ele invertia a cronologia dos acontecimentos, retardava a morte de personagens históricos para que coincidisse com os personagens da história dele, e ele foi o inventor do folhetim de capa e espada. Gosto de fazer isso também", afirma. 

Muita ficção com fundo histórico

Apesar de retratar um período histórico do país, "Liberdade, Liberdade" vai usar bastante da imaginação: além de muitos personagens fictícios, a novela também vai recriar a trajetória da própria Joaquina, sobre a qual não existem muitas informações precisas. No folhetim, a protagonista (vivida por Mel Maia na infância) é resgatada por Raposo após a morte dos pais e passa 20 anos em Portugal.

Em 1808, retorna a Vila Rica, em Minas Gerais, com o nome de Rosa, e se revolta ao encontrar um cenário de violência e miséria. Aos poucos, envolve-se com Xavier, noivo de Branca (Nathalia Dill), e Rubião, o homem que traiu seu pai. 

"Pude fazer o que quis com a Joaquina, porque ninguém sabe quem ela foi, na verdade. Essa garota sumiu no tempo. Que fim levou a filha de um sujeito que foi amaldiçoado, né? Na novela, ela herdou a força dos dois pais: do Raposo, tem o lado prático, e do Tiradentes, o lado idealista. Ela é uma mistura dos dois, é uma sonhadora, mas tem os pés no chão", afirma o autor. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais TV e Famosos

Topo