Topo

Famosos

Renata Sorrah lembra parceria com Segall: "Tornava toda gravação incrível"

Reprodução/YouTube
Renata Sorrah como Heleninha em "Vale Tudo" Imagem: Reprodução/YouTube

Felipe Pinheiro

Do UOL, em São Paulo

06/09/2018 12h55

Renata Sorrah relembrou a parceria com Beatriz Segall, que morreu aos 92 anos na quarta (5) após problemas respiratórios, em São Paulo. Em depoimento enviado ao UOL, a atriz contou como foi contracenar com a eterna Odete Roitman em "Vale Tudo", reprisada atualmente pelo canal a cabo Viva em homenagem aos 30 anos de sua primeira exibição.

"Ela ia na frente puxando aquele elenco maravilhoso. A Beatriz era a grande estrela. Era uma loucura o que a gente brigava! Ela era horrível com a Heleninha porque nós nos dávamos muito bem. Pensávamos: 'De que maneira vamos fazer essa cena?' Era tão bom trabalhar com ela... Eu tinha paixão pela Beatriz", conta a atriz, que viveu Heleninha Roitman, a filha alcóolatra da vilã que era atormentada por uma mãe manipuladora.

Reprodução/Youtube
Odete Roitman (Beatriz Segall) se emociona em cena de "Vale Tudo" Imagem: Reprodução/Youtube
Renata se recorda de como a presença de Beatriz Segall influenciava a todos no set: "Ela entrava no estúdio e colocava toda a gravação num lugar incrível. Era atenciosa, estudiosa e muito talentosa. Toda uma gravação ficava impregnada pela Beatriz".

Em depoimento ao site Memória Globo, Beatriz Segall também falou sobre contracenar com Renata Sorrah em "Vale Tudo" e lembrou a cena final em que Odete Roitman chora após ser confrontada pela filha.

"Ela disse para a mãe tudo o que tinha sofrido na infância. Quando terminou a cena eu estava debulhada em lágrimas. Sempre digo que a Renata me deu a cena de presente. Quando uma boa atriz descobre o jeito certo de fazer a cena, todo mundo ganha. Eu devo isso a Renata", elogiou Beatriz.

Renata retribui o elogio ao dizer ter aprendido muito com a colega: "Era uma mulher incrível, culta, inteligente. Uma excelente atriz e sempre com posicionamentos direitos na vida. Vai fazer muita falta". 

Assista ao depoimento de Beatriz Segall: