PUBLICIDADE
Topo

Famosos

Beatriz Segall morreu "dormindo, sem sofrimento", diz filho em velório

Sérgio Segall, filho de Beatriz Segall, fala com imprensa durante velório da atriz em São Paulo - Francisco Cepeda/AgNews
Sérgio Segall, filho de Beatriz Segall, fala com imprensa durante velório da atriz em São Paulo Imagem: Francisco Cepeda/AgNews

Paulo Pacheco

Do UOL, em São Paulo

05/09/2018 21h59

O corpo de Beatriz Segall foi velado na noite desta quarta, no hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde a atriz estava internada com pneumonia. Ela chegou a receber alta, mas piorou e retornou ao centro médico dois dias depois, segundo seu assessor. A eterna Odete Roitman morreu por volta das 12h30 desta quarta-feira (5).

Leia mais:

O velório ficou restrito a amigos e familiares. Atores como Juca de Oliveira e Eduardo Tolentino, além do ex-governador de São Paulo, José Serra, e o candidato ao Senado, Eduardo Suplicy, estiveram presentes. Fãs, fotógrafos e jornalistas não tiveram acesso.

Filho mais velho da atriz, Sérgio Segall detalhou os últimos momentos da mãe e disse que ela morreu dormindo. "Minha mãe já vinha com a saúde debilitada e, felizmente, acabou indo tranquila, estava dormindo, sem sofrimento, que era o mais importante", disse Sérgio, emocionado.

Beatriz Segall em 2016 - Eduardo Martins/Ag.News - Eduardo Martins/Ag.News
Beatriz Segall em 2016
Imagem: Eduardo Martins/Ag.News

Para o primogênito de Beatriz, a trajetória bem-sucedida da atriz nas artes é o maior legado dela para a família e o público.

"Por um lado, ficamos muito tristes. Perdi minha mãe. Por outro, são 92 anos de uma vida muito bem vivida, não só como atriz conhecida do grande público nas novelas, mas pela contribuição para a cultura brasileira como uma grande atriz que interpretou todas as grandes peças do teatro brasileiro e internacional, como pessoa pública que nunca se furtou a ter opiniões e como mulher do século 20, filha de professores, de classe média", contou Sérgio, que também lembrou da trajetória da mãe.

"Nos anos 40 ela foi para a França contra a vontade dos pais porque tinha conseguido uma bolsa de estudos, voltou, teve filhos e parou de trabalhar, como acontecia inevitavelmente com uma mulher naquele tempo. Recomeçou depois de 12 anos e foi conseguir sucesso de público aos 50. O maior exemplo que ela deixou para os filhos foi essa trajetória, essa coragem o tempo inteiro de tomar posições, às vezes não populares, não agradáveis, mas que ela acreditava que eram importantes. Além do sucesso, porque olho a mãe bem-sucedida, com trabalho de alta qualidade e sofisticada e é inspirador", afirmou.

Famosos