Topo

Famosos

Gisele Bündchen diz em entrevista que se arrependeu do implante de silicone

Divulgação
Gisele Bündchen se emociona em entrevista a Pedro Bial Imagem: Divulgação

Felipe Branco Cruz

Do UOL, em São Paulo

10/11/2018 11h35

A modelo Gisele Bündchen, 38, foi entrevistada na sexta-feira (9) por Pedro Bial em seu programa exibido na Globo. No bate-papo, Gisele mostrou os diários que mantinha na adolescência e revelou que foram eles que a motivaram a lançar seu novo livro "Aprendizados - Minha Caminhada para uma Vida com mais Significados".

Entre os temas abordados, a modelo falou sobre síndrome do pânico, sobre como ajudou garotas com bulimia escrevendo cartas para elas e também do arrependimento que sentiu ao fazer um implante de silicone após a maternidade. Na entrevista, ela disse que após o implante, não se reconheceu no espelho. "O aprendizado foi que eu jamais faria isso de novo."

Sobre as garotas com bulimia, Gisele contou como começou a escrever as cartas. "Fazia mais ou menos três anos que pessoas conhecidas chegavam para mim e falavam de meninas que tinha bulimia e me perguntavam se eu não queria escrever uma carta para ela. Eu comecei a escrever cartas para meninas que eu não conhecia. Quando você está no fundo do poço, você não acha a saída", contou.

Leia também:

Fãs madrugam para conhecer Gisele Bündchen em lançamento de biografia

"Eu acho que escutar de uma pessoa que passou por coisas similares em vencer algum dos seus medos foi isso que ajudou essas pessoas. O que eu recebi de volta foi sempre muita gratidão", completou.

A modelo lembrou ainda de momentos difíceis, em um deles, teve uma crise de choro ao descobrir que teria que desfilar com os seios de fora para Alexandre McQueen, em 1998, quando tinha apenas 18 anos.

Aos 23 anos, sofreu de síndrome do pânico e decidiu procurar ajuda quando sentiu sufocada dentro de seu próprio apartamento. "Nunca quis falar com os meus pais. Achava que ninguém iria me entender."

A modelo contou também que se incomodava muito com os comentários das pessoas sobre sua aparência física. "Eu não tinha como controlar o que as pessoas iam falar, mas tinha que ver como ia reagir a essas palavras".