Topo

Televisão


Choro e histórias pessoais: Como emissoras noticiaram a morte de Boechat

Guilherme Machado

Do UOL, em São Paulo

2019-02-11T20:31:05

11/02/2019 20h31

Jornalistas de todas as áreas se emocionaram na cobertura da morte de Ricardo Boechat, que sofreu um acidente de helicóptero nesta segunda-feira (11) em São Paulo. A Band, onde o âncora trabalhava, esperou que a família soubesse da notícia para só depois anunciar ao público.

Datena, que foi quem comunicou o ocorrido durante o "Brasil Urgente", chorou ao vivo e elogiou o amigo de diversas formas. "É um momento muito triste para o Grupo Bandeirantes. O Boechat era o maior jornalista do país pela sua coragem, pela sua forma de combater a corrupção, as injustiças. Era hoje uma das grandes referências da história da televisão brasileira. A gente se pergunta se era essa a forma de terminar", disse.

Reprodução/Band
Datena chora ao noticiar a morte de Boechat Imagem: Reprodução/Band

Cátia Fonseca, que deu sequência à programação da Band, também não segurou a emoção e, entre choros e gaguejadas, prestou sua homenagem ao colega. "Traz um pouco de esperança a gente saber que a gente fez o máximo que a gente podia dentro do que a gente queria fazer, o quanto que a gente era transparente antes de mais nada. O Boechat era assim. Eu acompanhei ele não só como colega de trabalho, mas como fã", disse ela.

Em luto, a programação da Rádio Band News FM, onde Boechat fazia comentários diariamente, foi interrompida por alguns minutos.

Outras emissoras

Não foi só na Band que a emoção tomou conta. Na Globo, Dony De Nucio, do "Jornal Hoje", gaguejou e teve dificuldades em dar a notícia. "A confirmação da morte do nosso colega, jornalista admirado por todos, a redação toda em choque, eu nunca pensei na vida que teria que dar uma notícia de alguém que a gente admira tanto", desabafou no ar.

"Muito Dony, e a gente que está aqui ao vivo, com a redação ao fundo, a gente sente a consternação que está vindo dali", pontuou Sandra Annenberg.

Na GloboNews, jornalistas também reviverem memórias marcantes com Boechat. "Está muito difícil falar porque ele era muito incrível. Ele era muito amigo, amigo leal. Fiquei desempregada em 1991 e fiquei muito perdida, foi uma pancada grande. E ele me deu o primeiro telefonema e me disse: 'Você não vai ficar desempregada, você conseguir logo um emprego'. Ele foi e pediu as chefes do Globo. Aí recebi um telefonema do Globo. Vim para as organizações Globo pelas mãos dele", contou Miriam Leitão, comentarista de economia do "Bom dia Brasil" e da GloboNews.

Chico Pinheiro, que trabalhou com Boechat no "Bom Dia Brasil", também se emocionou ao falar do colega. "A voz do Boechat é uma voz que corta, que dá luz, em tempos opacos, quando trevas ameaçam. A voz do Boechat era luz. Eu me identificava muito com o Boechat", disse.

A GloboNews mostrou imagens de Boechat trabalhando em programas da Band. 

Reprodução/SBT
Roberto Cabrini homenageia Boechat Imagem: Reprodução/SBT

O SBT seguiu transmitindo o seriado "Chaves" durante um tempo. Mas com início do "Fofocalizando", a emissora fez uma longa cobertura do caso, convidando o repórter Roberto Cabrini, que elogiou o colega. "É a morte de um dos principais nomes do jornalismo brasileiro. O que ele fez jamais poderá ser comparado, ele reinventou o jornalismo", disse Cabrini.

O programa também abriu espaço para mostrar homenagens que foram feitas a Boechat nas redes sociais. Em suas redes socais, o SBT publicou uma nota de pesar. "A família SBT lamenta profundamente a morte do jornalista Ricardo Boechat", diz o comunicado.

Na Record, foi feita uma longa cobertura sobre o caso, comandada por Reinaldo Gottino. Ele relatou que tentou ligar para Boechat quando soube a notícia e logo viu que o celular não atendia. "Muito triste. Um dos maiores nomes do jornalismo brasileiro", lamentou Gottino

Na RedeTV!, o programa "A Tarde é Sua" cedeu seus primeiros minutos à equipe de jornalismo da emissora, que realizou a cobertura. As notícias sobre o caso continuaram no programa de Sonia Abrão.

"Lá se vai um dos maiores nomes do jornalismo brasileiro. Pegou todo mundo desprevenido, mesmo porque é uma trás da outra. Que começo de ano difícil esse que nós estamos vivendo. Quantas pessoas de comunicação nós estamos perdendo, quantas tragédias vitimando aí o nosso povo", desabafou Sonia.