Topo

Televisão


"Divergência não afetou respeito", diz ministro de Bolsonaro sobre Boechat

Felipe Pinheiro

Do UOL, em São Paulo

2019-02-12T13:08:38

12/02/2019 13h08

O general Augusto Heleno, ministro chefe do Gabinete de Segurança Institucional do governo Bolsonaro, lamentou profundamente a morte de Ricardo Boechat e diz que as críticas do âncora da Band e BandNews ao governo federal não "afetaram o respeito que o presidente da República tinha pelo jornalista", morto em um trágico acidente de helicóptero ontem.

"Ele (Bolsonaro) me ligou pedindo que eu o representasse porque ele gostava muito do Boechat. Podem ter acontecido divergências, mas isso nunca afetou o respeito que o Bolsonaro tinha pelo Boechat", afirmou o ministro durante o velório do jornalista, hoje. Heleno ressaltou que sua primeira reação ao saber da morte do jornalista é que seria fake news.

O ministro General Heleno reiterou que o país "perde um craque inigualável que trabalhava dia e noite para ser competente". 

 "O Bolsonaro tinha ele como referência no jornalismo. Todos nós sentimos, é uma perda muito significativa. A gente diz que ninguém é insubstituível, mas algumas pessoas são muito difíceis fazer substituição", afirmou o general, que representou o presidente da República, que continua hospitalizado, no velório do âncora da Band. 

O ministro elogiou a postura de Boechat em como conduzia seu trabalho no rádio e na TV. "Ele era estudioso, abordava o assunto. Ele passava o celular dele ao vivo no rádio, estava disposto a se dedicar as 24 horas do dia a serviço de ser um jornalista respeitado. Vocês tão vendo a quantidade de gente no velório. Acredito que para ele é a maior recompensa. Uma morte tão estúpida, mas que a família está podendo ver o quanto ele era querido pela população", disse o general Heleno.