PUBLICIDADE
Topo

Famosos

Em missa pela memória de Boechat, Veruska lê texto dele sobre solidariedade

Ricardo Boechat com a mulher Veruska e as filhas Catarina e Valentina no estúdio do "Jornal da Band", em São Paulo - Reprodução/Facebook
Ricardo Boechat com a mulher Veruska e as filhas Catarina e Valentina no estúdio do "Jornal da Band", em São Paulo Imagem: Reprodução/Facebook

Do UOL, no Rio e em São Paulo

24/02/2019 12h19Atualizada em 24/02/2019 23h12

Veruska Seibel publicou em suas redes sociais o texto que leu na missa em memória de seu marido, Ricardo Boechat, que foi escrito pelo próprio e trata do tema "Solidariedade".

A celebração aconteceu ontem, em São Paulo. Ela dedicou a publicação a "todos que têm dado conforto à sua família". Mais cedo, ela publicou uma outra foto em que suas duas filhas aparecem abraçadas, aparentemente brincando com outras duas meninas.

"Dizem os sábios que os primeiros registros a respeito do amor surgiram ainda na pré-história. Os estudiosos admitem que, em algum momento, por volta de 1.500.000 antes de Cristo, esse sentimento sublime aflorou no coração de nossos mais remotos ancestrais, ou foi por eles, então, percebido. Desde então, a força do amor vem inspirando os homens em suas mais profundas crenças e criações. Sua densidade infinita levou-nos à devoção de deuses, concebidos ante a certeza de que algo tão elevado só poderia ter surgido de instância divina. Na nossa escala de valores, naquilo que cultivamos, geração após geração, ele é a fonte e a razão da própria vida. Sem o alimento que ele fornece, nem religiões, nem artes, nada, enfim, existiria. Esse protagonismo, entretanto, merece uma provocação. O tempo nos fez, também, evoluir. E aquilo em que nos transformamos permite que nos perguntemos se o amor, a despeito do tanto que é e sempre foi, seria, de fato, a mais elevada expressão do que somos como espécie. Será o amor o sentimento que mais nos caracteriza? Aquele que melhor nos distingue dos outros seres da Natureza? Se ele surge espontaneamente; se não depende de nossas decisões quando floresce ou morre, pode, então, estar no topo dos valores que reverenciamos? Nada contra o amor, claro. Sou um apaixonado crônico. Mas penso que essa primazia não cabe a ele e, sim, à solidariedade. Este é, também, um sentimento. E um sentimento que não existe sem o amor. Mas a solidariedade vai além. É o sentimento associado à ação. É o que floresce como amor, porque somos o campo fértil dessa semente, mas que prospera se estendemos a mão ao próximo, àquele que precisa de nós. É o ato racional, e, por isso mesmo, essencialmente humano. É o gesto de estender a mão, de acolher o semelhante, de dividir o pão. Sermos solidários é demonstrar capacidade de transformar o amor em atos. É fazermos jus ao que temos de melhor."

O texto emocionou seguidores.

Ricardo Boechat, de 66 anos, morreu na queda do helicóptero na Rodovia Anhanguera, em São Paulo. O piloto da aeronave, Ronaldo Quattrucci, que tentava fazer um pouso de emergência e colidiu com um caminhão, também morreu no acidente.

Datena foi o responsável por informar ao vivo a morte de Boechat durante o programa "Os Donos da Bola", apresentado por Neto, que também estava visivelmente emocionado ao chamar o colega. 

Dedico a todos que tanto conforto têm dado a mim e a minha família o texto recente do meu marido que li hoje na celebração em memória dele: ?Dizem os sábios que os primeiros registros a respeito do amor surgiram ainda na pré-história. Os estudiosos admitem que, em algum momento, por volta de 1.500.000 antes de Cristo, esse sentimento sublime aflorou no coração de nossos mais remotos ancestrais, ou foi por eles, então, percebido. Desde então, a força do amor vem inspirando os homens em suas mais profundas crenças e criações. Sua densidade infinita levou-nos à devoção de deuses, concebidos ante a certeza de que algo tão elevado só poderia ter surgido de instância divina. Na nossa escala de valores, naquilo que cultivamos, geração após geração, ele é a fonte e a razão da própria vida. Sem o alimento que ele fornece, nem religiões, nem artes, nada, enfim, existiria. Esse protagonismo, entretanto, merece uma provocação. O tempo nos fez, também, evoluir. E aquilo em que nos transformamos permite que nos perguntemos se o amor, a despeito do tanto que é e sempre foi, seria, de fato, a mais elevada expressão do que somos como espécie. Será o amor o sentimento que mais nos caracteriza? Aquele que melhor nos distingue dos outros seres da Natureza? Se ele surge espontaneamente; se não depende de nossas decisões quando floresce ou morre, pode, então, estar no topo dos valores que reverenciamos? Nada contra o amor, claro. Sou um apaixonado crônico. Mas penso que essa primazia não cabe a ele e, sim, à solidariedade. Este é, também, um sentimento. E um sentimento que não existe sem o amor. Mas a solidariedade vai além. É o sentimento associado à ação. É o que floresce como amor, porque somos o campo fértil dessa semente, mas que prospera se estendemos a mão ao próximo, àquele que precisa de nós. É o ato racional, e, por isso mesmo, essencialmente humano. É o gesto de estender a mão, de acolher o semelhante, de dividir o pão. Sermos solidários é demonstrar capacidade de transformar o amor em atos. É fazermos jus ao que temos de melhor.?

Uma publicação compartilhada por Veruska Seibel Boechat (@doceveruska) em

Famosos