Topo

Famosos


Maria Padilha relembra início da carreira com Miguel Falabella: "Vida dura"

Maria Padilha e Miguel Falabella - Reprodução/TV Globo
Maria Padilha e Miguel Falabella Imagem: Reprodução/TV Globo

Jonathan Pereira

Colaboração para o UOL

21/04/2019 20h07

Miguel Falabella reviu hoje histórias de sua vida no quadro "Arquivo Confidencial" do "Domingão do Faustão", que contou com participação da atriz Maria Padilha. Ela recordou o início da carreira difícil ao lado do ator, que na última quinta-feira (18) falou sobre a Lei Rouanet no "Conversa com Bial".

"Tanto a familia dele quanto a minha não faziam fé na nossa escolha, mas nós decidimos morar juntos. Era uma vida dura, muito apertada. Chato era ficar comendo pouco. Ficar com fome às vezes era bem chato", confessou a atriz. "Morávamos num apartamentinho na Urca, a gente não tinha grana nenhuma", confirmou ele, que também morou com Zezé Polessa.

A intérprete da personagem Milu na novela "O Sétimo Guardião" se emocionou com as recordações. "Acabamos morando juntos com uma amiga em comum, uma figurinista. Tínhamos muita dificuldade financeira. Volta e meia batia um cobrador, dizia 'vou cortar a luz'. O cara riu da gente, ele disse 'não ria de mim, sou irmão da Vera Fischer e você vai ver, vou fazer muito sucesso'. Quem tem um amigo como você tem tudo e muito mais."

"Nós éramos tão felizes, a nossa vida era tão divertida, a gente era tão criativo e inventava maneiras de sobreviver. Isso nos fortalece, nos dá têmpera, não faz mal a ninguém. Bens materiais, sinais exteriores de riqueza, tudo uma grande bobagem, o que une é o afeto. Eu, Zezé e Maria Padilha dividimos um sonho em comum, isso não se perde nunca, fica para sempre. A gente vai embora, isso fica", analisou Falabella.

O ator também relembrou o início de carreira. "[O diretor] Roberto Talma foi me ver no teatro, depois nos encontramos e ficamos conversando sem eu saber quem ele era. Ele falou: 'quer fazer uma novela? Passa na Globo amanhã, quero conversar com você'. E assim foi. Eu estava no lugar certo na hora certa, em uma época em que os diretores iam no teatro."