Topo

Famosos


PM registra ocorrência contra Belo por suposto calote de R$ 50 mil no Rio

O cantor Belo - Divulgação
O cantor Belo Imagem: Divulgação

Felipe Pinheiro

Do UOL, em São Paulo

18/06/2019 11h31Atualizada em 19/06/2019 08h18

Um policial militar fez um registro de ocorrência como estelionato em 23 de maio contra o cantor Belo em razão de um suposto calote do pagodeiro de uma dívida de R$ 50 mil. A Polícia Civil do Rio de Janeiro confirmou ao UOL que o cantor era esperado para depoimento hoje na 42ª Delegacia de Polícia no Recreio dos Bandeirantes, zona oeste carioca, mas ele não compareceu. Uma nova data deve ser marcada.

De acordo com o boletim de ocorrência, ao qual a reportagem teve acesso, o cantor tomou um empréstimo em 2013 no valor de R$ 50 mil. O policial relata que o cantor teria assumido o compromisso de quitar a dívida em dois meses, o que segundo o documento não aconteceu "mesmo com incansáveis tentativas".

"No ano de 2013 efetuou um empréstimo ao Sr. Marcelo Pires Vieira [nome de batismo do cantor Belo] com o compromisso de ser ressarcido em dois meses, que até a data de hoje Marcelo Pires Vieira não pagou o referido empréstimo, mesmo com incansáveis tentativas de contato por parte do comunicante", diz um trecho do boletim.

A suposta vítima alega que entrou em contato pelo celular de Belo e também com Alfredo Santana, empresário do cantor, mas sem sucesso. O autor do boletim de ocorrência ainda diz que emprestou a Alfredo a quantia de R$ 20 mil.

A reportagem entrou em contato com Belo, que, até o momento, não se manifestou. A assessoria do cantor disse que não comenta o assunto e o empresário Alfredo Santana também foi procurado, mas até o momento não respondeu à reportagem. Ao UOL, Gracyanne Barbosa afirmou por volta das 14h que ainda não havia falado com o cantor: "Por conta da nossa correria eu nem estava ciente [sobre o boletim de ocorrência]".

Problemas com dívidas e prisão

Esta não é a primeira vez que Belo enfrenta problemas relacionados a dívidas. Neste ano, a Justiça determinou que ele pagasse cerca de R$ 40 mil a um escritório de advocacia do Rio de Janeiro.

"É notória a fama dele de mau pagador, mas é uma pessoa muito bacana. Eu o conheço pessoalmente e sempre foi muito envolvente. Ele disse: 'Pode ficar tranquilo que vamos pagar'. O tempo foi passando e, infelizmente, ele não honrou com o compromisso assumido. Entramos na Justiça para fazer valer nosso direito porque palavras, infelizmente, o vento leva", disse ao UOL o advogado Ivo Peralta.

Dois anos atrás o cantor se viu envolvido em um imbróglio de aluguéis atrasados que se arrastou por meses. Ele acabou tendo que deixar a mansão onde vivia com Gracyanne Barbosa, em São Paulo, sob o risco de ser despejado. Segundo a proprietária, a dívida passava de R$ 500 mil. O valor mensal do aluguel era de R$ 30 mil.

Belo foi preso em 2006 e condenado pelos crimes de tráfico e de associação com o tráfico de drogas. A partir de grampos autorizados pela Justiça, foram reveladas conversas entre o pagodeiro e Waldir Ferreira (conhecido como Vado), morto em 2002, apontado pela polícia como gerente do tráfico na favela do Jacarezinho. O cantor ficou preso por quatro anos.