Topo

Novela

Bom Sucesso


David Jr, par de Grazi em novela, fala em desconstruir masculinidade tóxica

Ramon (David Junior) e Paloma (Grazi Massafera) - Victor Pollak/Globo
Ramon (David Junior) e Paloma (Grazi Massafera) Imagem: Victor Pollak/Globo

Marcela Ribeiro

Do UOL, no Rio

04/09/2019 04h00

Ramon, personagem de David Junior na novela Bom Sucesso, passou 15 anos fora do Brasil e se mudou para Chicago (EUA) em busca do sonho de jogar basquete profissionalmente. Após uma contusão, desistiu de ser jogador profissional e trabalhou como roupeiro do time Chicago Bulls. Com isso, abriu mão do convívio familiar com a mulher Paloma (Grazi Massafera) e de participar ativamente da criação da sua filha Alice (Bruna Inocêncio). Ele só voltou ao Rio depois que a esposa recebeu o diagnóstico errado de uma doença terminal.

"Ele fez uma escolha e escolheu o profissional. Só que ele não pensou nas consequências e não imaginou que ficaria tanto tempo fora. E agora, como é que faz? O que a gente faz com essa lacuna que ficou aberta? Como a gente vai preencher esse vazio, se é que dá para preencher? E a gente joga essa pergunta pro público também", comenta David.

O ator diz acreditar que a novela tem a função social de alertar homens sobre a necessidade de mudança comportamental.

"Acho que [a conduta do personagem] faz parte do patriarcado, da masculinidade tóxica, de tudo que a gente precisa desconstruir urgentemente, o que tem causado esse feminicídio no mundo afora. Acho que a gente precisa apresentar um novo homem para a sociedade e a dramaturgia brasileira tem esse poder", opinou o ator sobre o perfil de Ramon nos bastidores da novela no Rio.

"A relação dele com a Alice, de como a gente pode criar uma nova narrativa para esses pais que optam um pouco pelo financeiro e esquecem que o sentimental também faz parte", completa.

Com uma boa audiência na faixa da sete, o ator crê que é um momento importante para a novela tratar temas como o abandono paterno. Na volta ao Brasil, Ramon tenta se reaproximar da filha que, em razão do longo período afastada, encontra dificuldade em chamá-lo de pai.

"Existe uma revolta [de parte do público] e ela é pertinente porque o que tem de gente, o que tem de mulher que é mãe solteira porque o pai acha que fez, joga a responsabilidade na mulher, não é fácil. Inicialmente eu ficava muito na defensiva, querendo defender o personagem. Depois eu entendi. A gente precisa tocar na ferida mesmo. O assunto é esse, existem homens assim tóxicos no lugar de achar que só por ser o provedor já é suficiente e não precisa de mais nada."

Ramon ou Marcos?

Marcos (Romulo Estrela) e Paloma (Grazi Massafera) em cena de Bom Sucesso - João Cotta/Globo
Marcos (Romulo Estrela) e Paloma (Grazi Massafera) em cena de Bom Sucesso
Imagem: João Cotta/Globo

Paloma forma um triângulo amoroso com Ramon e o bon vivant Marcos (Romulo Estrela) em Bom Sucesso e divide a torcida do telespectador.

"Nem vejo como competição. Acho que a gente como ser humano vive isso o tempo inteiro. A gente se apresenta para o outro, dá o seu melhor e a escolha é de cada um", diz David.

Para o ator, Paloma vive uma relação complexa porque são dois homens com características bem distintas.

"O Ramon identifica a realidade da vida, pé no chão, a base familiar e tudo mais. O Marcos é o lúdico, os livros e, ao mesmo tempo, com essa relação utópica daquela pessoa que vem de uma família menos favorecida e acaba conhecendo o príncipe encantado que tem todas as possibilidades para apresentar pra ela", opina David.

O ator diz que os dois tentam mostrar suas qualidades na tentativa de conquistar o coração de Paloma.

"A escolha não é só dela, como do público, de decidir com quem ela vai ficar. Não estou muito preocupado com isso, acho que a novela já tem apresentado o sucesso porque a gente está apresentando humanidade. Tem coisas que a gente está falando que são urgentes, que é essa questão do abandono, os pais que abandonam os filhos, como fica essa pessoa que se sente abandonada, como fica essa família com ausência do pai e que relação se tem depois de voltar 15 anos."